Foto: Jonathan Fidelis

Yasmin Umbelino estreia com o álbum apocalíptico “Antares”

Artista mineira mescla teatralidade e musicalidade plural em primeiro trabalho.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Uma exploração sobre o que nos aguarda no fim do universo é o que move “Antares”, álbum de estreia da multi artista mineira Yasmin Umbelino. Mesclando sua experiência como atriz com um ousado mergulho musical e poético, ela propõe faixas onde inspirações do indie e do pop, do rock e da música brasileira guiam canções climáticas com um pé no passado e outro no futuro. O lançamento é do selo MUSA LAB – Laboratório de Ideias Musicais, fundado por Umbelino e o produtor musical Thiago Guedes para dar maior visibilidade a artistas em quem acreditam. 

Ouça “Antares”: https://tratore.ffm.to/antares

Assista ao clipe “Tele a pele”: https://youtu.be/O6FXAYFgLXc

“Antares” assume suas contradições e constrói sobre elas. A duração curta para um disco – abaixo dos 17 minutos – não impede que Yasmin veja o trabalho com a mesma complexidade de um álbum completo que vai além, inclusive, das suas canções. O disco chega acompanhado de um livro digital homônimo, disponível para leitura e download no site oficial (http://www.yasminumbelino.com/). Escrito ao mesmo tempo que as canções, o desdobramento literário de “Antares” deu vazão à verve de dramaturgia poética do trabalho, reunindo ainda as poesias e letras das músicas.

Assista ao clipe “Plexos”: https://youtu.be/3-f902M8x2c

“Eu poderia ter chamado de EP, mas isso iria contra a ideia que tenho de um disco. O ‘Antares’, mesmo pequeno, conta uma história com início, meio e fim (que, para a experiência completa, deve acompanhar a leitura do livro que está no site). Outra ideia que dialoga com o conceito futurista e com minha reflexão sobre as relações contemporâneas, foi a ideia de um ‘disco podcast’. Queria jogar de forma irônica com a ideia da escuta rápida. Hoje, tudo é rápido. A tendência é que, cada vez mais, os sons passem a ser desconexos e curtos. Mas e quando as informações são complexas? E quando há uma história muito maior envolvida? Como agimos? Em 16:50 o ‘Antares’ narra minhas angústias, mas não só isso. Ele está todo amarrado aos clipes, às artes e ao livro. Ele funciona sozinho? Sim. Mas há muitas outras camadas”, resume Umbelino.

“Antares” nasceu de uma necessidade em dialogar com conceitos sobre o caos pós-moderno por meio de metáforas. Por isso, a estrela que nomeia o disco ganha conotações de uma “Pasárgada pessoal” para a artista – um lugar onde tudo é possível, tão real quanto imaginária. O álbum se desenrola ao longo de seis faixas – sendo duas delas audiopoemas acompanhados de uma sonoridade retrofuturista com pegadas de rock progressivo -, onde Yasmin narra esse desbravar de universos inteiros, apenas para encontrar a si própria. 

Além de reunir em um só trabalho as muitas vertentes de seu trabalho musical, poético e teatral, Yasmin Umbelino descobriu com “Antares” uma outra potência: a de dar forma visual à sua visão artística. Foi assim que a artista acabou cuidando pessoalmente de cada uma das artes que envolvem o disco, seus clipes e singles lançados. Usando técnicas de colagem, ela traduziu em imagens o conceito presente tanto nos textos de “Antares” quanto nos seus sons. O resultado foi uma série de autorretratos trabalhados com imagens e texturas que dialogam com as sensações que Umbelino queria provocar com a obra.

“‘Antares’ é um não-lugar. Rota e ponto de fuga. É pra onde ir quando não há mais espaço nem ar para respirar fundo, quando há o sufoco na poeira dos dias. Mais que uma estrela distante, é um delírio. O disco é uma mistura poética analógica e digital que busca em narrativas sonoras a construção de uma visão sobre o fim do mundo”, resume a artista. 

O álbum está disponível nas principais plataformas e seus clipes, no canal de YouTube de Yasmin Umbelino.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.