André Melo /Parceiro/Agência O Dia

Witzel demite secretário de Saúde

Decisão foi tomada 10 dias após a prisão de cinco integrantes da secretaria, acusados pelo Ministério Público do Rio (MPRJ) de irregularidades na compra emergencial de respiradores
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A crise política na gestão da saúde fluminense ganhou protagonismo mesmo com o grave cenário da pandemia de covid-19. O governador Wilson Witzel demitiu neste domingo o secretário de Saúde, Edmar Santos, à frente do cargo desde a posse, em janeiro do ano passado. A decisão foi tomada 10 dias após a prisão de cinco integrantes da secretaria, acusados pelo Ministério Público do Rio (MPRJ) de irregularidades na compra emergencial de respiradores. Quem deve assumir a pasta é o médico Fernando Ferry, diretor do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle. Ele se reuniu ontem com Witzel e o núcleo do governo. A exoneração ainda não foi publicada no Diário Oficial.

A decisão de demitir o secretário de Saúde é consequência da operação Mercadores do Caos, do Ministério Público do Rio (MPRJ) e da Polícia Civil. A secretaria está em crise há um mês, período mais crítico até agora no combate à pandemia. No dia 20 de abril, Gustavo Borges da Silva substituiu Gabriell Neves na subsecretaria de Saúde. No dia 7 de maio, os dois foram presos na operação do MPRJ, que apontou um esquema de fraude para desviar recursos da compra de equipamentos no combate ao coronavírus, como respiradores. O fato de ter substituído Neves por Gustavo Borges, outro acusado de irregularidade, aumentou o desgaste de Edmar Santos. Até a última sexta-feira, 44 dos 66 contratos emergenciais firmados pelo governo durante a pandemia foram cancelados por irregularidades.

Fernando Ferry ainda conversará com Witzel, mas deve ser o próximo secretário de Saúde. Diretor geral do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, da Unirio, Ferry é especialista no tratamento clínico da AIDS. Em setembro do ano passado, já como diretor do Gaffrée e Guinle, foi personagem na imprensa por dirigir uma ambulância para ajudar no socorro às vítimas do incêndio no Hospital Badim, da Tijuca.

Fonte: O Dia

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.