Foto: Reprodução

Vírus do herpes, modificado, atacou células doentes e foi capaz de acabar com tumores em pacientes terminais

A terapia é feita com uma forma geneticamente modificada do vírus do herpes, aquele que causa feridas na boca.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Um tratamento experimental, realizado no Reino Unido, tem surtido efeito animador. O vírus do herpes, modificado, foi capaz de atacar as células doentes de pessoas com câncer e, assim, reduziu ou acabou com tumores em pacientes em quadros críticos.

O estudo é de cientistas do Institute of Cancer Research, ligado à Universidade de Londres, e já conseguiu frear vários tipos de câncer em pacientes considerados terminais.

A terapia é feita com uma forma geneticamente modificada do vírus do herpes, aquele que causa feridas na boca.

Um terço dos voluntários que participaram do estudo teve o crescimento do câncer interrompido ou diminuído após o tratamento.  Um paciente com câncer de glândula salivar viu o tumor desaparecer completamente e permaneceu livre do câncer por 15 meses após o início do tratamento. Sete dos 30 pacientes que receberam o medicamento e a imunoterapia com nivolumab, também melhoraram ao final dos testes. Seis deles não tiveram progressão da doença em 14 meses.

No estudo, apresentado no Congresso da Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO), os pesquisadores explicam que o vírus herpes simplex enfraquecido, chamado de RP2, foi injetado diretamente no tumor de 39 pacientes diagnosticados com câncer de pele, esôfago ou de cabeça e pescoço.

E o vírus conseguiu atacar o tumor de duas formas: invadindo as células e se multiplicando, fazendo com que elas explodissem por dentro; e estimulando o sistema imunológico dos pacientes, aumentando sua capacidade de matar as células cancerígenas.

(*) Com informações do Metrópolis

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.