Reprodução de vídeo / TV Globo

Veto do prefeito é derrubado e fim da dupla função é definitiva em Petrópolis A partir da publicação no Diário Oficial, será proibido a dupla função

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A Câmara Municipal derrubou, nesta quinta-feira (12), o veto do prefeito Bernardo Rossi do Projeto de Lei que proíbe o acúmulo de função de motoristas em coletivos de todas as categorias, inclusive micro-ônibus, mini-ônibus e executivos. A partir da publicação no Diário Oficial, será proibido a dupla função nos coletivos que circulam pela cidade de Petrópolis.

O vereador Leandro Azevedo (PSD), autor do Projeto de Lei, publicou nas suas redes sociais um agradecimento aos vereadores que o apoiaram com a derrubada do veto.

Tão esperado por todos os rodoviários, o projeto de lei que põe fim a dupla função de motoristas, de minha autoria e do vereador Marcelo da Silveira, acaba de retornar para a Câmara Municipal. Ele chegou VETADO pelo Poder Executivo, porém, conseguimos sensibilizar nossos colegas vereadores e DERRUBAMOS esse VETO, que além de significar falta de segurança para funcionários e usuários, poderia causar o desemprego de mais de 600 cobradores. Obrigado a todos os vereadores que assinaram o meu requerimento solicitando a inclusão da votação para quebra ou não do veto, na sessão plenária de hoje! Agradeço, também, aos Rodoviários que acreditaram e me confiaram essa batalha!”, publicou o vereador.

Em agosto o Sindicado das Empresas de Transportes Rodoviários de Petrópolis (Setranspetro) havia se manifestado sobre a aprovação do Projeto de Lei pela Câmara Municipal no dia 8 de agosto. Segundo o sindicato, seriam necessários acrescentar em R$ 0,20 (vinte centavos) na tarifa atual, elevando de R$ 4,40 para R$ 4,60, uma vez que o custo total do sistema é dividido pelo número de passageiros.

O órgão alegava que os atuais motoristas que exercem a dupla função não geram impacto negativo para a operação, uma vez que aproximadamente 70% das transações do sistema acontecem por meio de cartão eletrônico, sem que a cobrança tenha a necessidade de passar pelo profissional.

O sindicato também explicou que haverá o custo para a reinstalação das cadeiras para a função do cobrador e a retirada das cadeiras dos passageiros que será ocupado pelo profissional.

Leia mais sobre o assunto:

Fim da dupla função pode elevar tarifa de ônibus para R$ 4,60, diz o Setranspetro

Fim da dupla função de motoristas é aprovada na Câmara

 

Crédito da foto: Reprodução de vídeo / TV Globo

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

2 Comentários
  1. Mário Romero. Diz

    Vai ssir do bolso do povo, vereador quem paga no fim sempre ê o povo. Vereador anda em carro pago pelo povo.

  2. Sergio Diz

    Se for alegado aumento de tarifa para cobrir os gastos, será melhor abrir nova licitação para outras empresas de transportes!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.