Vereador defende que merenda estocada seja doada para famílias vulneráveis do município

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Após vistoria nas instalações e nos procedimentos de conservação e armazenamento da merenda escolar no município, o vereador Yuri Moura, presidente da Comissão de Educação, Assistência Social e Direitos Humanos da Câmara Municipal, entregou um ofício à Secretaria de Educação propondo, dentre algumas medidas, a doação da proteína armazenada nas unidades de educação para as famílias em situação de vulnerabilidade em Petrópolis, em acordo com as orientações do CAE (Conselho de Alimentação Escolar).

O documento, protocolado nesta semana, reforça a incerteza do retorno presencial às aulas e demonstra preocupação com possíveis instabilidades elétricas nas unidades onde o alimento está armazenado, à medida que o desligamento dos congeladores, mesmo que por algumas horas, tornaria o alimento impróprio. A falta de uma supervisão frequente, motivada pelas medidas de prevenção à pandemia, também preocupa:

“São 9 toneladas de proteínas armazenadas nas unidades escolares, um pico de luz ou qualquer outra instabilidade elétrica pode levar ao descarte desse alimento. Além disso, não temos acompanhamento presencial constante, devido à pandemia, então, o melhor caminho é a doação desses alimentos para as famílias petropolitanas, que estão sofrendo bastante com o fim do auxílio emergencial. Sei que a nova gestão da gerência de alimentação escolar tem o controle e acompanha de perto, porém a chance de um infortúnio é gigantesca. Precisamos nos antecipar!”, disse Yuri.

Outra ação proposta e discutida em reunião junto ao gerente de alimentação escolar do município, Tiago Gasparini, e do Conselho de Alimentação Escolar (CAE), é a elaboração de um cronograma e um plano com estratégias de logísticas para evitar o desperdício e um consequente descarte dos alimentos neste período sem aulas presenciais. O vereador reforçou a urgência na substituição do atual depósito, localizado no Quissamã, para um novo, desde que seguindo todas as recomendações sanitárias.

Quanto à empresa que realizou a entrega da merenda descartada na última semana, o documento indica uma apuração rígida e urgente sobre o serviço prestado e consequente ação penal caso confirmada às infrações:

“Defendo que a empresa envolvida não participe mais de licitações municipais. É muito grave. Para além disso, a inércia da gestão passada em cobrar a troca dos mantimentos, ainda mais em período de crise como a pandemia, deve ser apurada. Precisamos encontrar os responsáveis!”, concluiu Yuri

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.