Crédito fotográfico: @filipefoto

Verão, cervejinha, amigos, praia e altinho…

Altinha é um esporte praticado desde 1960 nas areias de Ipa. Atualmente a brincadeira já tomou conta de todo o litoral brasileiro e o Em Alta tem grande influencia nisso.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O ano era 1960, quando a Praia de Ipanema bombava – o auge da juventude do século XX. De lá surgiu o nome do esporte mais praticado nas areias cariocas.

Sabe aquela brincadeira entre um grupo de amigos onde o único intuito é não deixar a bola cair? A famosa altinha ou altinho, chame como quiser (mas mantenha a bola elevada). O esporte mais praticado nas areias cariocas está virando coisa séria, com campeonato e tudo. Bem diferente do seu início, em meados do século XX.

O ano era 1960, quando a Praia de Ipanema bombava – o auge da juventude do século XX. De lá surgiu o nome da brincadeira que viraria coisa séria nas praias do Rio de Janeiro. Um pouco antes, na década de 50 o futevôlei já esquentava as areias de Copacabana enquanto as mulheres bronzeavam-se no sol. Não que elas também não jogassem, mas hoje esse número é bem maior.

Roda de altinho na Praia de Ipanema pelas lentes de @filipefoto

Atualmente a brincadeira já se espalhou por todo o litoral brasileiro, conquistando grandes jogadores ao longo de todo o país. O altinho simpático, intenso e bonito começa a surgir em 1990, ficando popularizado na década de 2000.

Mantenha a bola Em Alta

Surfando nessa onda, o @em.alta surgiu em março de 2016, idealizado por Vitor Martins e seus amigos, em Macaé (quem diria que na capital nacional do petróleo surgiria uma família apaixonada por altinha). Vitor contou que estava em um momento de muitas viagens em grupo e a partir daí puderam criar um Instagram para documentar tudo (ou quase tudo) que vivenciavam na brincadeira.

  • Fomos o primeiro no ‘Insta’ a divulgar assuntos relacionados a altinha. Com isso muitas pessoas começaram a nos enviar seus vídeos jogando, como forma de exposição. A verdade é que viralizou e hoje somos referência nesse cenário – conta Vitor.

Atualmente a brincadeira é vista em todas as praias do litoral brasileiro e não só nas praias. Qualquer lugar que tenha uma bola com duas pessoas ou mais já é o suficiente para subir a redonda.

Haja vista o sucesso que o projeto idealizado por Vitor rendeu, pode-se dizer que o @em.alta tem grande influência na difusão da altinha para diferentes idades e classes sociais.

  • No início tivemos o apoio de duas grandes referências do futevôlei, como a Ray e a Patricinha. Agregamos ainda a conexão RJ x ES. Juntando esses fatores fomos o motivo das pessoas olharem com adimiração para a brincadeira e novos grupos começaram a crescer. Hoje estamos em todo lugar do Brasil e até no exterior – disse.

Vitor revelou que desde 1980 a intensidade já existia na brincadeira, mas na década de 2000 que o sistema de “atacar de segunda” começou a surgir com outro grupo de amigos e que fizeram parte de um documentário chamado A arte da bola no ar. 

  • Começou chamado linha de passe, ainda nas areias da Zona Sul. Na década de 80 a dinâmica de corte aparece por viés do futevôlei, mas em 2000 isso se fortifica ainda mais. O esporte começou a evoluir e os nossos prórpios amigos começaram a acelerar a brincadeira – comentou Vitor, um dos representantes do @em.alta.
Pelo olhar de @filipefoto

A brincadeira ainda não é profissionalizada, mas já existem campeonatos em prol da altinha. Vitor também disse que o @em.alta organizou com os própiros recursos o Circuito Carioca, com regras aperfeiçoadas pela própria organização.

Neste sábado o quarteto Vem pro jogo que conta com Patricinha, Peleo, Bernardo e Lucas Esposito, foi campeoão de um torneio organizado pelo @em.alta e realizado na Praia de Copacabana. A próxima competição deve ser divulgada em breve e qualquer grupo pode participar.

  • Ainda existe uma descordância em alguns sentidos, como por exemplo a forma de pontuação. É difícil criar uma federação com essas dúvidas perambulando nossas competições, mas acredito que um dia tudo vai se encaixar – finalizou.

Perguntado se o Em Alta é uma marca, Vitor afirmou:

  • Nós somos uma família, mas agimos também como uma marca.

Vale ressaltar que o Brasil inteiro joga, mas que Ipanema é o berço do esporte.

Shack Atack duplo registrado por @filipefoto

Verão, cervejinha, amigos, praia e altinho… Quem nunca?

O que anteriormente poderia ser chamado de um jogo inútil ou sem graça pelos mais conservadores, atualmente é um estilo de vida a ser seguido (e o mar está de prova).

O jogo na entanto não tem vencedor ou perdedor e todo mundo correndo pra não deixar a bola cair, resultando em um espetáculo de lance bonito no rally – vale o registro.

Altinho é sobre o jogo da vida, esperança e simplicidade. “

Escreveu Joaquim Leães de Castro no dia 02 de março de 2017.

E não é que “a filosofia colaborativa” da altinha atraiu a atenção do cineasta belga Jean Marc Joseph, que documentou uma visão íntima da galera que joga o esporte nos arredores de Ipanema. A altinha é simples, malandreada no bom sentido e já faz parte do cardápio praiano inspirando até gringo.

Mas como nem tudo são flores

Ninguém imaginaria que o palco de um dos mais belos espetáculos praianos se tornaria cenário de uma confusão generalizada entre a Guarda Municipal e os banhistas (ainda bem que não saiu no doc. de Jean).

Na localidade mais conhecida como Coqueirão, Posto 9 de Ipanema, agentes utilizaram a força para intervir na brincadeira enquanto que os banhistas revidaram e afastaram os guardas do local. Muitos insultos podem ser ouvidos através do vídeo abaixo, onde as pessoas parecem estar indignadas com a atitude dos agentes.

https://www.youtube.com/watch?v=Ci-NEmMuWo8&t=6s
No vídeo é possível observar uso da força por parte dos agentes, banhistas descontrolados com a situação e uma desordem tremenda (perdoem-me os palavriados)

Alguns barraqueiros que não tinham nada a ver com a história tiveram prejuízos equivalente à R$ 1.000,00, de acordo com reportagem publicada pelo G1 naquela época.

Um dia depois a Secretaria Especial de Ordem Publica (Seop) esclareceu o que não pode ser feito à beira-mar, para segurança dos banhistas. A Seop divulgou que “é proibido realizar qualquer atividade esportiva perto do mar até às 16h, assim como levar animais para a areia e soltar pipas”, reiterando que “os ambulantes só podem comercializar alimentos industrializados e embalados”.

“Minha bola é legal, eu que não sou”

Sete anos após o ocorrido no Coqueirão a polêmica da bola no alto ainda existe. A empatia praiana é buscada por meio de gestos conscientizadores e educacionais para que o local seja um ambiente de alegria e acolhimento para todas as famílias.

Visando isso, o próprio @em.alta se posicionou perante ao fato dizendo que ” não há espaço para que a liberdade de um não confronte com a tranquilidade do outro, as praias estão lotadas” e continuou frisando que “não é possível enxergar um melhor caminho que favoreça um lado sem prejudicar o outro”.

Foto no fim de tarde nas areias de Ipa

 No texto publicado no Instagram , o @em.alta completa:

  • Somos diretamente responsáveis por este crescimento e nos orgulhamos disto, não só pelo fato da família que foi construída, mas pelo estilo de vida, pela natureza, pelo esporte, pela união de diferentes ciclos sociais e culturais, inclusão, roles, mas principalmente pela briga diária em transformar a não só “brincadeira” em esporte, luta essa que só terá sucesso se soubermos agir com educação e bom senso no nosso principal espaço coletivo chamado praia.

Completando que “para buscar um crescimento pro esporte, as pessoas ao nosso redor merecem ser respeitadas e quando não, acabam enxergando de uma maneira marginalizada o que poderia ser uma prática saudável até para os novos adeptos”. 

  • A bola não é uma arma, muito pelo contrário, é um objeto de diversão, de suor, de energia, de talento e muito carinho, ela não merece ser banalizada pela falta de bom senso de quem não sabe, no mínimo, pedir desculpas quando está errado – concluiu para os mais de 40.000 seguidores.

O respeito em primeiro lugar fará com que a altinha seja cada vez mais praticada. Cada um no seu espaço e bola no alto.

E você, já jogou aquela alta hoje?

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.