Uso de máscaras contra Covid-19 evidencia ‘orelhas de abano’ e aumenta procura por Otoplastia

Dr. Luiz Haroldo Pereira, com mais de 40 anos de experiência em cirurgia plástica, conta: “A pressão da máscara ajudou a evidenciar mais as orelhas de abano e algumas deformidades vão acontecer por esta pressão”.

Você já deve ter ouvido pessoas reclamarem da pressão que algumas máscaras contra a Covid-19 causam nas orelhas, evidenciando o que chamamos de ‘orelha de abano’. O acessório de proteção também destaca o defeito congênito que muitas pessoas já possuem na região e, com isso, a busca por Otoplastia tem crescido no Brasil. Dr. Luiz Haroldo Pereira, médico com mais de 40 anos de experiência e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, explica o aumento por cirurgias na face, entre elas a de correção das orelhas.

“Com o uso das máscaras, houve uma maior tração nas orelhas e esta pressão ajudou a evidenciar mais as orelhas de abano. Algumas deformidades vão acontecer por conta dessa pressão nesta região”, revela o médico, que ainda explica: “A Otoplastia consiste em fazermos uma retirada de pele da parte posterior da orelha e criarmos uma remodelagem da cartilagem auricular. Ela deve ser realizada em hospital ou clínica, com toda a segurança.”

O médico ressalta ainda que a Otoplastia é muitas vezes buscada para pacientes crianças, quando pais querem evitar que os filhos sofram bullying na escola por conta da ‘orelha de abano’.

“A indicação, na maioria das vezes, é da própria criança que se sente diferente das outras e usa o cabelo para esconder as orelhas. No meu consultório muitos pais procuram para fazer nos filhos”, explica o médico.

A recuperação é rápida: “No primeiro dia usa uma bandagem para manter a orelha na posição correta e depois passa a utilizar bandagem tipo de tenista para dormir por 10 dias. Os pontos são retirados depois de 10 dias. A cirurgia é mais procurada nos meses de férias para que o menor não perca as aulas e possa se recuperar melhor”.

Lives aumentaram busca por cirurgias na face:

Outro fenômeno causado por conta da pandemia é o aumento de cirurgias na face. A justificativa encontrada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica é que muitas pessoas estão optando por reuniões virtuais e lives com amigos, o que fez com que muitos passassem a reparar mais em imperfeições no rosto e a buscar cirurgias de correção na face.

Dr. Luiz Haroldo explica: “As lives fizeram com que deformidades e imperfeições ganhassem destaque. Como flacidez cutânea, bolsas de gordura nas pálpebras, gordura no pescoço, entre outras. A cirurgia facial, chamada comumente de Lift Facial, consiste em retirarmos o excesso de rugas, fazemos o tratamento da musculatura, e complementamos com enxerto de gordura para termos a volumetrização da face. A blefaroplastia (retirada do excesso de peles das pálpebras) também é realizada durante o Lift Facial.”

Dr. Luiz Haroldo Pereira:- Foto: Divulgação

Saiba mais sobre Dr. Luiz Haroldo Pereira:

Dr. Luiz Haroldo Pereira, que atende em Copacabana, Zona Sul do Rio, é referência em cirurgia corporal ou na face no Brasil. Tem mais de 25 artigos publicados nas mais diversas e importantes revistas nacionais e internacionais sobre cirurgia plástica e é autor de vários capítulos de livros sobre lipoaspiração, lipoenxertia, próteses de silicone, cirurgias de face e gluteoplastia, sendo considerado fonte no Brasil para todos estes assuntos.

O médico já foi presidente da regional da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) do Rio Janeiro, participou da banca de exames para título de especialista em cirurgia plástica durante 12 anos e, desde 2006, é membro da comissão de avaliação para médicos que desejam se torna titulares da SBCP, capacitados para realizar as cirurgias de abdominoplastia, lipoaspiração, implantes de silicone e outros procedimentos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também

Alerj discutirá saúde dos petroleiros

Durante o encontro, também serão discutidos os movimentos de privatização das estatais, pelos governos federal e estadual, e a desindustrialização no Estado do Rio de Janeiros e seus impactos.