Foto: Reprodução de vídeo / Globoplay

Unidos de Vila Isabel homenageia Martinho da Vila

Segundo o carnavalesco Edson Pereira, celebrar a vida e obra de Martinho era um desejo antigo da Vila Isabel.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A Unidos de Vila Isabel prestou uma homenagem ao cantor, compositor, poeta e escritor Martinho da Vila, presidente de honra da Vila. O desfile passou pela infância na roça às viagens a Angola, pelo engajamento nas causas sociais, por samba geniais e livros memoráveis. A escola destacou principalmente o jeito simples, boêmio e alegre, que fez com que Martinho conquistasse a Vila e incorporasse o bairro a seu nome.

Foto: Reprodução de vídeo / Globoplay

Martinho da Vila está acostumado com toda a agitação do carnaval desde os anos 60, mas para ela o desfile da Unidos da Vila Isabel teve um gostinho diferente neste ano.

Segundo o carnavalesco Edson Pereira, celebrar a vida e obra de Martinho era um desejo antigo da Vila Isabel.

Martinho desfilou com a família. Filhos e netos acompanharam o anfitrião na Avenida.

Foto: Reprodução de vídeo / Globoplay

Confira o samba da Vila Isabel:

“Canta, canta, minha gente! A Vila é de Martinho”
Compositores: Evandro Bocão, André Diniz, Dudu Nobre, Professor Wladimir, Wanderson Pinguin, Marcelo Valença, Leno Dias e Mauro Speranza


Partideiro, partideiro, ó
Nossa Vila Isabel brilha mais do que o sol
Canta, negro rei, deixa a tristreza pra lá
Canta forte, minha Vila, a vida vai melhorar!

Ferreira, chega aí
Abre logo uma gelada, vem curtir
A Avenida engalanada
Nossa gente emocionada vai reluzir
Os sonhos de Iaiá
Suas glórias e cirandas resgatar
Não acaba quarta-feira a saideira
Nem o meu laiaraiá
Raízes da roça para os pretos forros
Tanto talento não guarda segredo
O dono do palco, o Zumbi lá do morro
Pela 28, chinelo de dedo
Se a paz em Angola lhe pede socorro
Filho de Teresa encara sem medo

Seguiu escola do Pai Arraia
Reforma agrária e na festa do arraiá
Em cada verso, mais uma obra-prima
Ousar, mudar e fazer sem rima

Seguiu escola do Pai Arraia
Reforma agrária e na festa do arraiá
Em cada verso, mais uma obra-prima
Só você pra fazer sem rima

Profeta, poeta, mestre dos mestres
África em prece, o griô, a referência
O senhor da sapiência, escritor da consciência
E a cadência de andar, de viver e sambar
Tão bom cantarolar porque o mundo renasceu
Me abraçar com esse povo todo seu
Eu vou junto da família
Do Pinduca à alegria pra brindar
Modéstia à parte, o Martinho é da Vila
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.