Um em cada cinco brasileiros pode ter diabetes, revela estudo integrado pela UFC

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Um em cada cinco brasileiros sem diagnóstico prévio pode ter diabetes mellitus, é o que revela um dos maiores estudos realizados sobre o tema no País. Conduzida pelo Conselho Federal de Farmácia, com apoio da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), a pesquisa contou com a participação, em Fortaleza, da Farmácia-Escola da UFC. A coleta dos dados locais ocorreu entre 19 de novembro e 5 de dezembro do ano passado.

Na Farmácia-Escola da UFC foram 87 pessoas atendidas, das quais 38 homens e 49 mulheres, com média de idade de 52 anos. Cada participante teve medidos glicemia capilar, peso, altura, circunferência abdominal, índice de massa corpórea (IMC) e ainda respondeu ao questionário FINDRISC, ferramenta de rastreio para detecção de casos de hiperglicemia e diabetes. Ao fim do atendimento, o resultado foi disponibilizado individualmente, juntamente com orientações farmacêuticas a respeito da importância da prática de hábitos saudáveis de vida e de acompanhamento médico.

Os dados coletados pela UFC mostram que, entre os homens, 37,25% apresentaram risco alto ou muito alto de desenvolvimento de diabetes. Já entre as mulheres esse índice chegou a 42,5%. A média geral da dosagem de glicemia foi de 123 mg/dL, com média masculina de 128 mg/dL e feminina de 117 mg/dL.

Uma particularidade dos dados locais é que 39,55% dos pacientes apresentaram risco alto ou muito alto de desenvolvimento de diabetes, índice maior do que o nacional, que foi de 22,60%. Isso indica um risco maior de desenvolvimento do diabetes na população fortalezense do que a média brasileira. Os riscos alto e muito alto indicam que um em cada três (risco alto) e um em cada dois (muito alto) pacientes desenvolverá diabetes nos próximos 10 anos, respectivamente, na Capital.

No Brasil, 17.580 pessoas foram avaliadas pelo estudo. Delas, 18,4% apresentaram glicemia elevada. No total, foram cerca de mil farmacêuticos de farmácias públicas e privadas, em 345 municípios. Os fatores de risco mais presentes foram o sedentarismo (68%), a não ingestão de verduras e frutas todos os dias (43%) e o histórico familiar (37%).

O estudo na íntegra encontra-se disponível no site do Conselho Federal de Farmácia: http://www.cff.org.br.

SAIBA MAIS ‒ Além da participação no estudo, a Farmácia-Escola da UFC disponibiliza serviço de aferição de glicemia capilar e de atenção farmacêutica, além de orientação quanto ao uso racional dos medicamentos, como os que são utilizados para diabetes. Realiza ainda a manipulação de alguns medicamentos sem açúcares na formulação, como o xarope de cumaru.

Fonte: Farmácia-Escola da UFC

Fonte: Universidade Federal do Ceará – UFC - Núcleo de Medicina Tropical da UFC

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.