Um ano de saudade! Tragédia aérea com voo da Chapecoense completa um ano

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

No dia 29 de novembro de 2016, o país acordava perplexo com a notícia de que o voo 2293 da LaMia, que levava 76 passageiros havia caído na Colômbia, neste avião estava toda a delegação da Chapecoense, composta por jogadores, a comissão técnica liderada por Caio Junior, diretores do clube, convidados, membros da imprensa e a tripulação que dava suporte no voo, como é obrigatório no transporte aéreo.

71 pessoas faleceram, sobrevivendo apenas três jogadores: Jackson Folmann, goleiro reserva da equipe, que acabou amputando uma parte da perda direita, Alan Ruschel, lateral-direito que já voltou a atuar e marcou até gol nesta temporada, em amistoso contra a Roma da Itália, numa excursão que o clube fez na Europa e o zagueiro Neto, que se recupera de uma cirurgia no joelho.

Da imprensa, apenas o locutor Rafael Henzel está vivo, membro de uma rádio chamada super condá ele voltou a sua função de narrador, os outros que conseguiram sobreviver ao desastre aéreo foram os comissários de voo, Erwin Tumiri, que continua no setor aeroviário e Ximeza Suarez que atua como modelo e palestrante, ainda tratando de sua depressão gerada pelo trauma do fatídico dia.

A maioria das famílias de quem perdeu a vida no desastre está processando a LaMia, a qual não se sabe sequer quem é o dono e as investigações seguem, a causa da queda do avião foi a falta de combustível, as ações judiciais tem por objetivo pedir o ressarcimento por parte da companhia aérea e no caso de jogadores e comissão técnica, CBF por ser responsável pelo seguro de vida dos atletas e a Chapecoense por atrasos nas indenizações trabalhistas.

A tragédia comoveu o mundo e o esporte em geral, vários clubes prestaram homenagens a equipe e alguns empenharam-se em ajudar na reconstrução do time, emprestando diversos jogadores e até liberando atletas sem custos para a equipe, que em campo foi declarada campeã da sul americana de 2016, por iniciativa do vice-campeão Atlético Nacional da Colômbia, que seria seu adversário na decisão, o time alviverde disputou este ano o campeonato catarinense, sendo vencedor do segundo turno e do título geral, foi eliminado na primeira fase da Libertadores da América, após escalação irregular que lhe fez perder pontos, acabou saindo da Copa do Brasil nas oitavas de final, eliminado pelo campeão Cruzeiro e na Sul Americana saiu nas oitavas de final para o Flamengo.

O time foi convidado a disputar o troféu Joan Gamper, enfrentando o Barcelona no Camp Nou e dois amistosos contra o Roma (ITA) e Lyon da França, disputou ainda dois títulos o da Recopa Sul Americana, contra o próprio Atlético Nacional que havia vencido a Libertadores no ano anterior e a Copa Suruka Bank contra o Urawa Reds, perdeu as duas taças, a primeira em dois jogos onde venceu o primeiro jogo por 2 a 1 no Brasil e perdeu por 4 a 1 na Colômbia, já o torneio no oriente foi em jogo único vencido pelos japoneses por 1 a 0.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.