Último debate antes do 1º turno entre os candidatos ao Governo do Estado Veja o resumo do que foi discutido

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Candidatos

No debate realizado pela TV Globo, estiveram presentes os seguintes candidatos ao Governo do Estado: Eduardo Paes (DEM); Índio da Costa (PSD); Márcia Tiburi (PT); Pedro Fernandes (PDT); Romário Faria (PODE); Tarcísio Motta (PSOL) e Wilson Witzel (PSC). Os sete candidatos com direito garantido por lei que alcançaram 5% ou mais na pesquisa divulgada no dia 28 de setembro puderam participar.

O último encontro entre os mesmos foi mediado pela jornalista Ana Paula Araújo, contendo 5 blocos, onde o 1º e o 3º tiveram os temas discutidos por sorteio, já o 2º e o 4º houveram temas determinados, o último bloco foi usado para as considerações finais. Os candidatos poderiam fazer as perguntas em 30 segundos, concluir as respostas em um minuto e meio, e um minuto tanto para réplica quanto para a tréplica.

Os candidatos foram bem instruídos pelos seus assessores, questionaram e responderam, mas também apresentaram propostas para solucionar problemas que foram à tona no Rio de Janeiro. Os embates aconteceram entre dois candidatos por vez, mas em meio a réplicas e tréplicas, houve muitos pedidos de direito de resposta, por conta de enfrentamentos feitos entre os 7 participantes, portanto nem todos foram aceitos pela mesa julgadora.

Assuntos, questões e soluções 

Em quase três horas de debate, assuntos diversos puderam ser discutidos, dentre eles estiveram em pauta a segurança pública, educação e cultura, saúde, moradia, meio-ambiente, etc.

Eduardo Paes quando perguntado sobre corrupção, se justificou dizendo que é ficha limpa e que os problemas encontrados no Rio, não são de sua responsabilidade, mesmo que antes tenha feito parte do antigo PMDB, agora MDB. Márcia Tiburi defendeu a inocência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no caso Triplex. A candidata aproveitou a oportunidade para manifestar sua confiança ao ex-ministro da educação e também ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT). Márcia alegou que sua posição política é por conta de sua profissão e conquistas ao longo dos anos.

Sobre segurança pública, Tarcísio Motta e Wilson Witzel apresentaram propostas distintas para aperfeiçoar o desempenho das operações militares no estado. O ex-juiz federal, Witzel defendeu que é preciso extinguir a secretaria de segurança pública, tornando as Polícias Civil e Militar, independentes para tomarem decisões. De acordo com Tarcísio, é preciso uma discussão mais aprofundada e que o atual sistema “mata pobre e favelado todo dia.” O candidato do PSOL prometeu distribuir melhor o orçamento destinado para essa área, afim de melhorar a inteligência do sistema de segurança. Romário Faria disse que vai investir no incentivo ao esporte para afastar o jovem do crime organizado. Pedro Fernandes opinou sobre o valor gasto com presidiários e expressou sua vontade em destinar esses recursos para a educação.

No embate sobre economia, um dos principais desafios do Estado do Rio, Romário atacou Índio da Costa, suspeitando do seu crescimento patrimonial ao longo de 6 anos. Também o atacou sobre cargos em secretarias de alguns governantes acusados na Operação Lava Jato. Ao rebater, Índio se defendeu dizendo que é advogado e empresário, com todas as suas contas declaradas e duvidou sobre a capacidade administrativa de Romário Faria. O ex-jogador afirmou não ser um especialista no assunto, mas que “com uma equipe preparada”, é possível enfrentar qualquer problema.

O candidato do PDT, Pedro Fernandes, afirmou que o Estado não precisa de nada novo, mas que é preciso fazer funcionar o que já existe “com gestão de qualidade”. Nas considerações finais, Índio da Motta pediu votos ao presidenciável, Jair Bolsonaro (PSL), que ainda se recupera de atentado.

O último bloco foi marcado por direitos de respostas concedido há alguns candidatos atacados em declarações. Após o término do programa, os candidatos passaram por entrevista individual com duas repórteres presentes no estúdio. Romário Faria foi embora sem falar.

Intenção de voto e título de eleitor

De acordo com o Data Folha em pesquisa divulgada no dia 28 de setembro, Eduardo Paes lidera as pesquisas de intenção de voto com 25% e Romário aparece logo em seguida com 14%, dando maiores chances percentuais de irem para o segundo turno, que acontecerá no próximo dia 28. Garotinho foi considerado inelegível mas se encontra com 15% da intenção dos votos e continua com seu nome na urna. Índio tem 8%, seguido de Tarcísio Motta, Wilson Witzel, Márcia Tiburi e Pedro Fernandes, com 2%. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

As únicas cidades que a biometria é obrigatória são: Queimados, Trajano de Moraes, São Sebastião do Alto, Rio das Ostras, São João da Barra, Armação de Búzios e Niterói. Quem deixou de votar em três turnos seguidos, não poderá exercer o direito de cidadão nas próximas eleições. É possível consultar as informações do título de eleitor através do site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Segundo o Tribunal, 2.751 cidades do país têm 99% ou mais do cadastramento biométrico realizado, sendo assim, podem ser consideradas totalmente recadastradas.

Por: Gabriel Malheiros

 

Fonte: G1/Globo

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.