No domingo (12), às 15h, a TV Brasil leva às telas o longa-metragem de animação “Tintim e os prisioneiros do Sol”, o segundo longa baseado nos personagens do quadrinista belga Hergé. O filme foi produzido pelos estúdios Belvision, que anteriormente já haviam trabalhado em uma série de desenhos curtos e uma animação protagonizada por Tintim.

Quando sete arqueólogos encontram um antigo templo Inca, tornam-se vítimas de uma antiga maldição Inca. De volta à Europa, começam a ser vítimas de ataques que os deixam em sono profundo e misterioso. Apenas uma vez por dia, todos ao mesmo tempo, acordam por alguns minutos e têm alucinações relacionadas a um deus Inca.

“Tintim e os Prisioneiros do Sol” começa com o sexto arqueólogo sendo adormecido pelo conteúdo de uma bola de cristal que é jogada em seu carro. O último arqueólogo consciente permanece sob a proteção de Tintin e Haddock, em Moulinsart.

Uma tempestade se aproxima e as luzes se apagam. A escuridão é usada pelos índios para pôr o último arqueólogo em sono e capturar o professor Tournesol, que provou ser um profanador do santuário ao usar uma pulseira do deus Inca.

Tintin e Haddock seguem a trilha para o Peru, por neve e selva, a fim de resgatar Tournesol, curar os arqueólogos e desvendar o mistério que se apresenta.

Serviço:
“Tintim e os prisioneiros do Sol”
77 min. País: França / Bélgica / Suiça. Idioma: francês. Ano: 1969. Gênero: aventura/infantil. Título original: Tintin et le temple du soleil. Direção: Eddie Lateste. Roteiro: Hergé (graphic novels “Les sept boules de cristal” and “Le temple du soleil”), Eddie Lateste (adaptação).

Fonte: Empresa Brasil de Comunicação | TV Brasil | Rádios Nacional e MEC