Tribunal de Justiça suspende bloqueio de contas e parcela precatórios de Petrópolis

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O Tribunal de Justiça do Estado suspendeu bloqueio de repasses do Estado à Prefeitura e concedeu parcelamento de dívidas com precatórios. Petrópolis tem 946 processos de precatórios sob responsabilidade do TJ, dívidas acumuladas desde 2009 e que totalizam R$ 89,6 milhões.

Pelo acordo, cerca de R$ 28 milhões – dos quais R$ 4 milhões bloqueados nas últimas semanas – serão pagos em 24 parcelas, a partir de janeiro, de R$ 1,180 milhão. A prefeitura também arca mensalmente com cerca de R$ 2,3 milhões de parcelamentos acordados anteriormente.

“O Tribunal de Justiça foi muito sensível ao apelo de nosso município. Expusemos o déficit público, as dívidas de quase R$ 800 milhões de gestões passadas e ainda o fato de três governos anteriores terem acumulado os precatórios. Tivemos a presença decisiva do juiz titular da 4ª Vara Cível que ajudou a expor a situação financeira da cidade e os esforços como o Fique em Dia, de recuperação de débitos, uma parceria com o poder judiciário que muito ajudou nossa cidade”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.

A Prefeitura foi recebida, esta semana, pelos juízes Gilberto de Melo Nogueira Abdelhay Junior juiz gestor de precatórios substituto e Rosa Maria Maneschy, juíza auxiliar da Presidência do TJ.

O esforço do governo é de resguardar recursos para pagamento em dia dos salários dos servidores. “São quase 10 anos de gestões passadas que deixaram de pagar essa alta conta, que nada fizeram e que agora precisamos arcar”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.

A maior parte dos R$ 89,6 milhões em precatórios acumulados no TJ – R$ 70,7 milhões – é fruto de 561 ações movidas contra o município durante gestões passadas, por fornecedores, prestadores de serviços e servidores que recorrem à Justiça para garantir pagamentos não efetuados à época. Os R$ 18,9 milhões restantes são referentes a ações movidas contra o Instituto de Previdência dos Servidores (INPAS) e contra as antigas fundações de Saúde e de Cultura e Turismo.

Precatórios referentes ao Instituto de Previdência dos Servidores (INPAS) somam R$ 13,7 milhões. São 312 ações movidas por aposentados, pensionistas e servidores inativos. Outros R$ 5 milhões são referentes a 69 ações movidas contra a então Fundação Municipal de Saúde, além de R$ 112 mil resultado de quatro processos movidos contra a antiga Fundação de Cultura e Turismo.

Dívida total é de R$ 145 milhões acumulada desde 2009 

Dentre os R$ 145,2 milhões em dívidas de precatórios acumulados desde 2009, a maior parte, que perfaz R$ 89,6 milhões, é referente a 946 processos sob responsabilidade do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ). Os demais precatórios – R$ 55,6 milhões – são resultado de ações movidas no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) e no Tribunal Regional Federal (TRF).

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.