Tiroteio na Rocinha deixa mortos e moradores sem luz

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

 Sete pessoas morreram durante confronto entre policiais militares e criminosos armados na Rocinha, na Zona Sul do Rio, na manhã deste sábado. A PM está em operação continuada na comunidade desde setembro de 2017. De acordo com a corporação, o tiroteio começou quando policiais do Batalhão de Choque, que realizavam patrulhamento nas localidades conhecidas como Rua 2 e “Roupa Suja”, foram atacados por criminosos.

Segundo a polícia, as vítimas, que não tiveram as identidades reveladas, teriam ligação com o crime organizado. Os baleados chegaram a ser levados para o Hospital Miguel Couto, na Gávea. Os policiais informaram que com os suspeitos foram apreendidos um fuzil, sete pistolas e uma granada. O grupamento Aeromóvel (GAM) realiza monitoramento aéreo na região e o cerco foi reforçado.

Fuzil apreendido durante operação na comunidade da Rocinha neste sábado – Divulgação

Desde o início do dia, moradores usaram as redes sociais para reclamar do tiroteio e da falta de energia elétrica. “Aqui na Roupa Suja sem luz e com muito tiro”, postou um internauta. Uma outra moradora pediu paz na favela. “Que nenhum inocente seja morto. Só deus mesmo para nos guardar. Sábado, às 6h da manhã e a comunidade acordando desse jeito”, lamentou. A Light confirmou a falta de energia na Rocinha, mas ressaltou que como a comunidade passa por operação da polícia, a concessionária está aguardando condições de segurança para que os técnicos possam trabalhar no local e restabelecer o fornecimento.

A favela da Rocinha já havia sido palco de confronto armado na última quarta-feira. Na ocasião, o soldado da PM Filipe Santos de Mesquita, de 28 anos, e um morador, identificado como Antônio Ferreira, conhecido como “marechal”, foram baleados e mortos. O enterro de “Marechal” está previsto para hoje, no Cemitério do Caju. O soldado da PM foi enterrado ontem, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap. O agente atuava na UPP Rocinha, e estava na corporação desde dezembro de 2015.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.