Texto de Nelson Rodrigues é encenado completamente no escuro “Teatro Cego – O Grande Viúvo” chega aos teatros Alfredo Mesquita, Cacilda Becker e João Caetano em maio com apresentações gratuitas

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O teatro é uma arte que, embora utilize muito da comunicação verbal, se apoia com força no visual: o gestual dos atores, os figurinos, os cenários, os objetos de cena e até a iluminação do palco são elementos que comunicam ao público informações sobre os personagens. Mas, e se o diretor apagar todas as luzes? É o que acontece no espetáculo “Teatro Cego – O Grande Viúvo”, dirigido por Paulo Palado. Apresentada às escuras, do início ao fim, a peça obriga o espectador a usar os seus outros sentidos. Integrando o Circuito Municipal de Cultura, ela acontece gratuitamente em maio nos teatros Alfredo Mesquita, Cacilda Becker e João Caetano.

Inspirado no conto “O Grande Viúvo”, de Nelson Rodrigues, o espetáculo conta a história de um homem que acaba de perder a sua esposa. Ele comunica à família que ele irá se suicidar, após terminar de construir um mausoléu para ser enterrado ao lado da falecida. A família tem pouco tempo para convencê-lo a mudar de ideia.

Dos cinco atores em cena, três possuem deficiência visual. Os personagens, entretanto, são cegos de maneira metafórica. “É a cegueira de não enxergar a realidade ao seu redor”, conta Palado. Com o início da peça marcado pela fragilidade do protagonista, então a figura dominante da casa, a família deseja voltar a ser como era no passado, mas seus membros não perceberam que as relações entre eles mudaram. “Os personagens foram ficando cegos aos poucos, mas quando a visão volta, a realidade já não pode mais ser a mesma de antes”.

Sem o sentido da visão, o público é colocado no palco, onde pode sentir a presença do elenco atuando ao seu redor. Além da audição, primordial para a percepção espacial, sentidos como o olfato, com o cheiro de perfume ou do café da manhã, e o tato, com os respingos que imitam uma garoa, são acionados no público. “Quando você arranca os elementos visuais de uma peça, você tem o desafio de compor esses personagens de uma outra forma, ao mesmo tempo em que desafia o espectador a compreender esse espetáculo de outro modo”, conclui o diretor.

Serviço:

| Teatro Alfredo Mesquita. Av. Santos Dumont, 1.770, Santana. Zona Norte. | tel. 2221-3657. Dia 2/05. Qua., 19h e 21h. Gratuito. 14 anos

| Teatro Cacilda Becker. Rua Tito, 295, Lapa. Zona Oeste. | tel. 3864-4513. Dia 8/05. Ter., 19h e 21h. Gratuito. 14 anos

| Teatro João Caetano. Rua Borges Lagoa, 650, Vila Clementino. Próximo da estação Santa Cruz do metrô. Zona Sul. | tel. 5573-3774. Dia 10/05. Qui., 19h e 21h. Gratuito. 14 anos

Fonte: Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.