Teresópolis recebe curso pioneiro em tecnologia

O curso de DevOps é considerado a realidade nas empresas de software e o futuro da formação superior.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Especialistas em tecnologia acreditam que toda evolução ocorrida na área de tecnologia da informação nos últimos anos converge para DevOps. O termo, ainda desconhecido por grande parte das pessoas, trata de uma filosofia de desenvolvimento de software fortemente apoiada por metodologias ágeis, ferramentas robustas e, principalmente, integração entre os times de desenvolvimento (Development) e operações (Operations).

O coordenador do curso de Devops da Estácio e mestre em Informática, Guilherme Dutra Gonzaga Jaime, explica que “empresas que adotam esse modelo entregam seus softwares muito mais rapidamente, com menos erros e custo reduzido. Isso permite que startups possam crescer em escala”. O coordenador cita gigantes como Facebook, Amazon, Google e Netflix como usuárias desse modelo há anos (embora eventualmente usem nomes diferentes) e acredita-se que uma das razões dessas empresas terem conseguido crescer tão rapidamente seja justamente o uso da filosofia DevOps, pois do contrário os ciclos de desenvolvimento e a expansão da capacidade dos servidores seria um processo muito mais moroso e sujeito a falhas. 

Guilherme reforça ainda que, embora existam atualmente mais de uma dezena de cursos na área de tecnologia da informação – a maioria ofertada exclusivamente na modalidade EaD, há importantes diferenças entre eles. Para quem quer atuar no mercado de trabalho desenvolvendo softwares, um dos cursos mais procurados é o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Trata-se de um curso focado no que o próprio nome diz: o egresso tem uma robusta formação que o permite atuar como analista ou como desenvolvedor de sistemas. Outros cursos, como Redes de Computadores, são focados na parte de operações e infraestrutura. Esses profissionais são responsáveis pelos servidores, segurança, sistemas operacionais, backups, rede, internet, etc. Em médias e grandes empresas normalmente há duas grandes equipes: um time de desenvolvimento (ou seja, a turma formada em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e afins) e o time de operações (os egressos de Redes de Computadores e afins). 

Já, na filosofia DevOps,  há um único time atuando de forma mais integrada. “O analista/desenvolvedor aprende a trabalhar de forma integrada com o time de operações desde o início do projeto. Por isso DevOps é uma filosofia: é uma forma totalmente diferente de conduzir o desenvolvimento, implantação e a manutenção/atualização de softwares” explica o coordenador.  A filosofia DevOps é fortemente apoiada por metodologias ágeis, ferramentas robustas, muita automação no desenvolvimento e uma interação constante entre quem desenvolve o sistema e quem coloca o sistema para funcionar nos servidores. Não à toa que o símbolo mais usado para representar o DevOps é o  (infinito), pois o software está constantemente sendo atualizado/corrigido, liberado para funcionamento e recebendo críticas dos responsáveis pela operação para novas atualizações/correções e funcionalidades. 

A formação superior em DevOps na modalidade presencial é um pioneirismo da Estácio. Nenhuma instituição do Brasil oferta este curso presencialmente (algumas poucas lançaram recentemente, porém na modalidade EaD). DevOps é realidade nas empresas de software e um importante caminho para formação superior. Uma pesquisa por vagas com a hashtag #DevOps no LinkedIn retornou mais de 4 mil resultados no Brasil. Destas, mais da metade para trabalho remoto. Ou seja, nosso aluno pode ter toda a vivência presencial no campus universitário, com todos os benefícios que um curso presencial pode oferecer (networking com alunos, professores, eventos, etc.) e se manter em Teresópolis trabalhando remotamente para empresas de grandes centros. Guilherme reforça que, se o aluno dominar outro idioma as oportunidades aumentam exponencialmente, pois Estados Unidos, Europa e Canadá têm uma demanda altíssima de profissionais para trabalhar remotamente.

“Os primeiros alunos terão uma formação pioneira, antenados na realidade do mercado de trabalho. E terão igualmente um diploma pioneiro, ostentado por poucos, que vai sinalizar para o mercado o quanto este profissional está antenado no que é mais demandado pelas empresas”, comemora. 

Como é estruturado o curso 

A grade do curso de DevOps é 100% focada no mercado de trabalho, o que permite que o curso seja concluído em apenas 2 anos com uma formação muito atual e robusta. As disciplinas englobam programação (PYTHON, PHP, C, JAVA), desenvolvimento web (HTML5, CSS, JavaScript), modelagem de software, qualidade e teste de software, cloud, IoT, gestão e configuração de serviços de redes (tanto Windows quanto Linux), programação para dispositivos móveis, segurança da informação, segurança cibernética, métodos ágeis e muito mais. Importante dizer que não é necessário ter domínio prévio na área, pois já no início do curso o aluno é introduzido ao básico da computação. E gradualmente ele entra numa imersão muito robusta. 

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.