Marcelo Roza / Ascom PMT

TERESÓPOLIS: Prefeitura tem 30 dias para apresentar proposta final para a destinação do lixo

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Representantes de várias entidades, sociedade e governo sugeriram várias alternativas de ação para aumentar a vida útil do Aterro Controlado do Fischer. As propostas foram apresentadas na audiência pública realizada nesta quinta-feira (9), na Prefeitura.

Segundo o Secretário de Meio Ambiente, Raimundo Lopes, a Prefeitura tem 30 dias para apresentar ao Ministério Público e ao Judiciário uma proposta definitiva. O documento final levará em conta muitas das sugestões colocadas na audiência pública. “A partir disso fecharemos a proposta que, sendo aceita, dará início a outro procedimento para definir como será feita a nova gestão de resíduos sólidos no Aterro Controlado do Fischer”, explicou Raimundo.

Desde março de 2018, quando foi interditado pelo Instituto Estadual do Ambiente, o aterro vem operando por meio de liminar, sem conseguir dar a destinação técnica adequada para as cerca de 180 toneladas de lixo produzidas por dia pelo município.

O Presidente da Comissão de Ecologia e Meio Ambiente da Câmara Municipal, que desde março vem realizando audiências públicas sobre o Aterro Controlado, o Vereador Jaime Medeiros, parabenizou a gestão municipal pela iniciativa. “Esse é um passo que estamos dando além do esperado. Temos que andar juntos. Do contrário, a cidade não consegue avançar”, assinalou.

O Vereador Maurício Lopes também acompanhou o evento. “Chegaremos a uma solução para remediar aquele espaço que, hoje, vem causando um grande dano ambiental em Teresópolis”.

 

Propostas

Entre as ações emergenciais apresentadas pelo Poder Público, e debatidas pelos participantes da audiência, estão a construção de duas células sobrepostas para deposição final dos resíduos. Além disso, assuntos como a queima e controle do biogás, controle do chorume, monitoramento geotécnico e drenagem das águas pluviais também foram debatidas.

Sobre as alternativas para reduzir o volume de lixo depositado no local, foram sugeridos acordo com os grandes geradores de resíduos, com o setor da construção civil e com os produtores de hortaliças, além de aprimoramento do programa de coleta seletiva no município.

Para o custeio das operações de manutenção do aterro controlado, que requer equipamentos e veículos, entre outros maquinários e tecnologias, foram propostas a cobrança pela deposição dos detritos e a busca de outros recursos como, por exemplo, do ICMS Ecológico e de compensações ambientais.

“Deixo bem claro que esse estudo é um pré-projeto que apresentamos para que a sociedade participe. O Aterro Controlado é um grande desafio, e precisamos de iniciativas que garantam, pelo menos, 3 anos de sobrevida. O ideal é que o lixo gere recursos para o município”, destacou o Prefeito Vinicius Claussen.

Fonte: Prefeitura Municipal de Teresópolis

Crédito da foto: Marcelo Roza / Ascom PMT

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.