O petropolitano tem sofrido cada vez mais com a desordem no trânsito e a prefeitura do município tem sido desafiada frequentemente para oferecer uma solução ou, pelo menos minimizar os problemas. O número de veículos aumentou consideravelmente nos últimos anos e a estrutura urbana não conseguiu evoluir para evitar as consequências.

No mês de abril de 2018 a Prefeitura de Petrópolis, através do site da CPTrans, iniciou uma pesquisa para ajudar na elaboração do Plano de Mobilidade Urbana. A pesquisa ainda está disponível aos moradores da cidade que podem respondê-la através de um formulário disponível no site do órgão. A pesquisa contém perguntas que ajudam a nortear como está a situação da mobilidade na cidade, mas não há informações no site que determine quando este projeto será realizado.

A tentativa de melhorar a mobilidade urbana não é recente. A CPTrans lançou em 31 de julho de 2017 uma página no Facebook (CPTrans Informa) com o intuito de informar aos moradores sobre a situação do trânsito, em tempo real, mas aparentemente este projeto não deu resultado esperado, pois pouco mais de 2.400 pessoas seguem a página que não é atualizada desde o último dia 19 de julho de 2018.

Estas ações em nada minimizaram as retenções de tráfego de veículos nas vias da cidade, principalmente no horário do rush. Além do fluxo de veículos, que não é organizado, muitos outros problemas dificultam o dia-dia do cidadão. Algumas denúncias acabam se tornando apelos frequentes visando a cobrança das ações por parte das autoridades. Duas destas denúncias foram recebidas pelo GIRO SERRA e dizem respeito a estacionamentos irregulares:

A primeira delas veio de uma moradora da Rua Belisário Fonseca, em Cascatinha, que denuncia o estacionamento irregular de veículos impedindo acesso ao local. Uma loja de tintas, localizada na entrada da rua, tem recebido seus produtos para estoque em caminhões grandes que ficam por horas fazendo a descarga. De acordo com a moradora, que não quis ser identificada, dois caminhões costumam estacionar simultaneamente na via impedindo o acesso dos outros veículos. Nem mesmo o caminhão de lixo consegue entrar na rua.

Uma segunda denúncia foi registrada por um morador de Itaipava que alerta sobre a existência de “flanelinhas” cobrando por estacionamento na Estrada União e Indústria, em frente ao Shopping Estação. Os homens costumam usar uniforme para disfarçar a prática e intimidar as vítimas. De acordo com nosso seguidor, a ação dos homens é mais frequente aos finais de semana e, caso o motorista se recuse a pagar, os veículos são arranhados ou depredados.

No mesmo local onde os flanelinhas atuam, existe uma placa permitindo estacionamento de motos, mas os motoristas acabam usando as vagas para estacionarem seus carros, tomando completamente o espaço destinado as motocicletas (foto).

Não há fiscalização e alguns usuários dizem ter entrado em contato com a CPTrans, mas nada foi resolvido.

 

NOTAS ENVIADAS PELA CPTRANS
Para o caso da Rua Belisário Fonseca, em Cascatinha:

“Um dos maiores desafios da CPTrans, atualmente, é o combate ao estacionamento irregular. A prática é cometida em diversos pontos da cidade, sendo a maior causa de multa em Petrópolis, atualmente. Vale lembrar que, quem estaciona em local proibido está sujeito a multa grave de R$ 195,23 – no caso de ser em vagas para idosos e deficientes, o infrator deve desembolsar R$ 293,47, multa gravíssima e que rende 7 pontos na carteira.

A CPTrans conta, atualmente, com 11 agentes de trânsito – número insuficiente para suprir a demanda de Petrópolis, mas que só ao longo de 2017 conseguiu atender a 5.751 solicitações, incluindo estacionamento irregular. Também no ano passado, a companhia conseguiu remover 637 veículos que atrapalhavam o trânsito das ruas, sendo rebocados ou retirados pelos próprios proprietários após a notificação.

A CPTrans tem realizado rondas no local e notificando os motoristas sobre a infração cometida. É importante destacar que a população deve denunciar a irregularidade no ato pelo telefone 156 e 2237-1703″.

 

Sobre o caso dos flanelinhas na Estrada União e Indústria:

“A cobrança em estacionamento em área aberta em Itaipava realizada por flanelinhas não é autorizada. A orientação é que em casos como o relatado, a pessoa denuncie imediatamente à autoridade. O policiamento ostensivo é de responsabilidade da Polícia Militar. No entanto, a Guarda Civil mantém atuação para coibir a presença de flanelinhas pela cidade. A 2ª Inspetoria da Guarda, que atua na região dos distritos, faz rondas periódicas em Itaipava. No entanto, o combate aos flanelinhas é prejudicada pela falta de registro por parte da vítima na delegacia. A Guarda Civil já chegou a deter flanelinhas, mas para a prisão ser efetuada, é necessário que a vítima acompanhe os agentes à delegacia, o que, em geral, não ocorre. Sobre o estacionamento de veículos em área destinada aos motociclistas, a Companhia esclarece que é uma prática passível de multa de acordo com Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e que irá intensificar a fiscalização no local”.