Fotos: Myke Sena/MS

Tecnologia da AstraZeneca será usada para combater o câncer

A vacina utiliza vetor viral não replicante para induzir a resposta do sistema imunológico e pode gerar proteção contra casos de câncer.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A tecnologia da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford, será usada contra o câncer. A vacina, que é usada para o imunidade contra o coronavírus, utiliza o chamado vetor viral não replicante para induzir a resposta do sistema imunológico e pode gerar proteção contra casos de câncer.

Com base neste conhecimento, pesquisadores estão desenvolvendo um imunizante para tratar a doença. Os resultados foram publicados no periódico científico Journal for Immuno Therapy of Cancer. A partir da experiência com o imunizante, foi desenvolvido uma potencial vacina terapêutica, de duas doses, com diferentes vetores virais primários e de reforço, incluindo o vetor da vacina contra a Covid-19.

Ela ainda está em fase de testes pré-clínicos, com a participação de animais.

Em testes realizados em camundongos, ela foi capaz de aumentar os níveis de células que combatem o câncer e melhorar a eficácia do tratamento contra a doença. A vacina contra a Sars-Cov2  tem como base um adenovírus de chimpanzé geneticamente modificado, que não é capaz de causar danos aos humanos, com um gene da proteína S (Spike) do novo coronavírus.

Segundo o estudo, a vacina apresentou resultados positivos quando utilizada de forma combinada com a imunoterapia, que é um método de tratamento com base na indução do combate às células cancerosas pelo próprio sistema imunológico do paciente. O tratamento é diferente das técnicas de quimioterapia e radioterapia, por exemplo, que atacam diretamente as células tumorais.

Apesar de promissor, a imunoterapia pode ter baixa eficácia para alguns pacientes, especialmente aqueles que apresentam baixos níveis de células que combatem os tumores no organismo. Porém, associado à tecnologia da vacina de Oxford, gera fortes respostas de células específicas de defesa do organismo, chamadas linfócitos T CD8+, que são necessárias para bons efeitos contra os tumores.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.