Tecnologia brasileira de simulação e cirurgia virtual passa a ser comercializada na Europa, EUA e Ásia Plataforma da Csanmek é o principal método alternativo ao uso de cadáveres em cursos de medicina e segue a tendência mundial de trocar corpos humanos por simuladores digitais

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A plataforma de simulação cirúrgica e dissecação virtual, desenvolvida pela startup brasileira Csanmek, tem ganhado mercados internacionais nos últimos meses. Com contratos firmados em faculdades de medicina (humana e veterinária) em seis países, a empresa passa a fabricar e comercializar na Europa, Estados Unidos e Ásia, além da própria América do Sul.

A distribuição na Europa passa a ser feita pela linha de montagem recém-inaugurada pela Csanmek em Varsóvia, na Polônia. Nos Estados Unidos, a comercialização é feita pela parceria com a companhia norte-americana Syndaver Labs. Nos mercados asiáticos, o equipamento é distribuído pela chinesa Beijing General Boom.

A Csanmek possui ainda parceria de representação nos Emirados Árabes com a empresa Al Mazroui & Chemical Supplies, de Dubai, e nas Filipinas, com a Aspen Multi-System. Atualmente, a startup brasileira está presente nos EUA, China, Peru, Polônia, Paraguai e México.

A rápida internacionalização da Csanmek se deu, sobretudo, pelo fato da plataforma ser o principal método alternativo ao uso de cadáveres em aulas de anatomia, à medida que segue a tendência mundial de trocar corpos humanos por plataformas digitais de dissecação virtual em cursos de medicina e veterinária.

Há três anos no Brasil, o equipamento é utilizado em 50 cursos de medicina e medicina veterinária para treinamento de cirurgias virtuais. Funciona como uma mesa que exibe modelos tridimensionais altamente detalhados e anatomicamente corretos de todos os sistemas do corpo humano.

A plataforma pode custar entre R$ 200 mil e R$ 400 mil e oferece aos alunos a possibilidade de estudar casos clínicos e exames reais de pacientes, à medida em que converte tomografias e ressonâncias magnéticas em clones virtuais (3D), com acesso total e irrestrito a anatomia real.

Também utiliza algumas linhas de atlas anatômicos e fisiológicos, com mais de 5 mil estruturas anatômicas identificas, incluindo todos os órgãos e sistemas do corpo masculino e feminino, e pode ser usada em cursos de medicina, veterinária e demais áreas da saúde.

Entre as instituições brasileiras que possuem a tecnologia estão Faculdade das Américas (FAM), a Universidade de de São Caetano do Sul (USCS), A Uninove (5 unidades em SP), a São Leopoldo Mandic (RJ), uma das principais faculdades de medicina do Brasil, a Universidade Guanambi, na Bahia, e a Faculdade Claretiano, entre outras.

Segundo o fundador da Csanmek, Claudio Santana, a solução foi desenvolvida por uma equipe amplamente qualificada, com décadas de experiência em diagnósticos e imagens médicas. “Apesar de ser um equipamento para educação, a plataforma 3D também é utilizada por médicos e profissionais da saúde no dia a dia, para melhorar o aprendizado e compreensão das estruturas anatômicas reais e modeladas”, comenta Santana.

Sobre a Csanmek (http://www.csanmek.com)
A CSANMEK é uma empresa brasileira que surgiu com a missão de ser referência em novas tecnologias de simulação, para auxiliar as técnicas educacionais no uso das metodologias ativas. Desenvolve ferramentas e projetos educacionais para suporte aos docentes e discentes, visando melhor qualificação para futuros profissionais das diversas áreas da saúde. Com dois anos no mercado, a empresa atua no desenvolvimento de soluções para atender as necessidades das instituições de ensino, trazendo sempre o que há de melhor no mercado mundial.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Negócios na internet têm receita recorde durante a pandemia

A aceleração do mercado online, devido à pandemia mundial, e as novas regras sobre a terceirização de serviços provocaram novas formas de se fazer negócios, dentre eles, o crescimento do número de abertura de empresas e o respectivo registro de marcas no INPI.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.