Tarifa aérea registra menor valor desde 2011, aponta Anac

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Por Cintia Moreira

As tarifas domésticas de avião no Brasil atingiram, em 2017, a menor média desde 2011. As informações são da Agência Nacional de Aviação Civil, a Anac. De acordo com o estudo, divulgado recentemente, o valor médio das tarifas aéreas, no ano passado, foi de R$ 357,16, uma redução de 0,6% em relação a 2016.

O levantamento mostra, ainda, que ao longo de 2017, 6,6% das passagens foram comercializadas com tarifas aéreas abaixo de R$ 100,00 e, 52,9%, abaixo de R$ 300,00. As passagens acima de R$ 1.500,00 representaram apenas 0,7% do total.

O gerente de Acompanhamento de Mercado da ANAC, Cristian Vieira dos Reis, conta que os resultados da pesquisa têm como base as 40 milhões de passagens vendidas em todo o Brasil no ano passado. “Essa coleta, que é realizada pela agência, contempla dados de todas as passagens aéreas vendidas no país, para voos domésticos, para passageiros adultos. Então, a gente está falando de um universo de aproximadamente 40 milhões de passagens vendidas”, enfatizou.

A pesquisa também mostra dados das tarifas aéreas domésticas comercializadas com detalhamento por unidade da federação e por pares de regiões do país. De acordo com o Relatório de Tarifas Aéreas Domésticas, a variação das tarifas se deve ao dólar, que afeta o preço dos combustíveis, seguro e arrendamento das aeronaves.

Mudança nas leis

O ano de 2017 foi marcado pela entrada em vigor da Resolução nº 400, de 13 de dezembro de 2016, que, entre outros pontos, desregulamentou a franquia de bagagem despachada nos voos domésticos e internacionais. As empresas aéreas, porém, passaram a aplicar efetivamente a desagregação do serviço de despacho de bagagem a partir de junho de 2017.

Assim, a franquia de bagagem despachada passou a constituir mais um item para diferenciação de serviços e preços ofertados aos passageiros, ao lado de outros critérios anteriormente utilizados, como a possibilidade de remarcação ou cancelamento da passagem. Outros itens como alimentação a bordo e marcação de assentos, que nunca foram regulados, também representam fatores de diferenciação de produtos e preços, mais opções para a decisão do passageiro e, ainda, incentivo à concorrência entre as empresas.

Projeto de Lei (PL 6621/2016)

Está em tramitação no Congresso o Projeto de Lei 6621, de 2016, que pretende aprimorar a gestão das agências reguladoras, a fim de dar mais autonomia, transparência nas atividades e evitar que essas autarquias sofram interferência do setor privado.

De acordo com o relator do PL, Danilo Forte, do DEM do Ceará, a instalação da comissão especial deve ocorrer nesta semana.

“Eu fui convidado pelo presidente Rodrigo Maia para ser o relator da matéria; a gente está marcando a pauta para quarta-feira, para a instalação da comissão especial, para cumprir todos os ritos do processo legislativo, para que a gente possa concluir até o final deste semestre”, disse.

A Lei de Regulamentação das Agências Reguladoras é uma das 15 propostas que deverão ser votadas neste ano pelo Congresso. A intenção do governo é melhorar os indicadores econômicos.

Fonte: Agência do Rádio Brasileiro

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.