O vírus do sarampo pode abrir as portas para outras infecções. Foto: Solidcolours/SAÚDE é Vital

Surto de sarampo preocupa e interrupção de vacinação pode elevar incidência da doença

Segundo o último boletim epidemiológico emitido pelo Ministério da Saúde neste mês de junho, o Brasil permanece com surto de sarampo nas cinco Regiões
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O Brasil já teve 3.629 casos de sarampo registrados em 2020. A interrupção na vacinação rotineira de crianças durante a pandemia do novo coronavírus é uma situação já detectada por vários órgãos de saúde, que veem risco do aumento de doenças que poderiam ser evitadas com imunização e do retorno de doenças que estavam controladas ou erradicadas.

Segundo o último boletim epidemiológico emitido pelo Ministério da Saúde neste mês de junho, o Brasil permanece com surto de sarampo nas cinco Regiões. A região Norte apresenta cinco (71,4%) estados com surto, a região Nordeste seis (66,7%), a região Sudeste três (75%), a região Sul três (100%), a e a região Centro-oeste 3 (75,0%) estados.

No Brasil, entre as semanas epidemiológicas 01 a 21 de 2020 (29/12/2019 a 23/05/2020), foram notificados 10.025 casos de sarampo, confirmados 3.629 (36,2%), descartados 3.310 (33,0%) e em investigação 3.086 (30,8%).

Fonte: Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde informa também, através do boletim epidemiológico, que se encontra em processo de revisão o Plano nacional para interromper a circulação do vírus do sarampo e eliminar a doença no País, o qual propõe resposta rápida, oportuna e articulada entre as diversas áreas envolvidas com o enfrentamento do sarampo.

 

O Sarampo

Sarampo é uma doença viral, infecciosa aguda, potencialmente grave, transmissível, extremamente contagiosa. É uma doença grave, principalmente em crianças menores de cinco anos de idade, desnutridas e imunodeprimidas. A transmissão do vírus ocorre de forma direta de pessoas doentes ao espirrar, tossir, falar ou respirar próximo a pessoas sem imunidade contra o vírus do sarampo, evidenciando a importância da vacinação, conforme recomendações.

 

Campanhas de vacinação

Na campanha de 2019, a meta de vacinação ficou longe de ser alcançada. Das crianças de 2 a 4 anos, por exemplo, 100.676 doses foram aplicadas, contra 824.190 não vacinados. Entre 20 e 29 anos, foram somente 1.881.214 doses aplicadas, e 9.427.379 não vacinados. Assim, segundo o Ministério da Saúde, 10,25 milhões de pessoas deixaram de ser vacinadas. Rio de Janeiro teve a menor cobertura. Em São Paulo, estado mais afetado pela doença, o índice também foi baixo.

No início do ano, o Ministério da Saúde realizou a campanha para 2020, adquirindo 3,9 milhões de doses da vacina tríplice viral, que protege do sarampo. Este número representaria 9% acima do que foi pedido pelos estados. A campanha foi realizada entre os dias 10 de fevereiro e 13 de março para pessoas de 5 a 19 anos de idade e foram gastos R$ 15 milhões em publicidade veiculadas na TV, rádio, mídia externa e internet.

 

Quem deve tomar a vacina contra o sarampo?

De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina é a única medida preventiva eficaz contra o sarampo. Devem tomar a vacina:

  • Quem ainda não tomou as duas doses da vacina na infância e na adolescência
  • Quem não tem certeza se já tomou as duas doses deve tomar uma dose extra
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.