Suicídio ou assassinato? Entenda quem era Jeffrey Epstein

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Os questionamentos crescem nos Estados Unidos e no mundo após a morte do bilionário americano, Jeffrey Epstein, ocorrida neste sábado (10) em uma unidade prisional de Nova York. O magnata enfrentava acusações de tráfico sexual envolvendo menores de idade e aguardava julgamento.

Mesmo com o pronunciamento oficial descrito pela polícia, para boa parte dos americanos, o suposto enforcamento do empresário foi forjado. Segundo o Psicólogo e Escritor Alexandre Bez, não é da natureza de um pedófilo o atentado contra sua própria vida.

“Não existe uma regra absoluta para todos os pedófilos e suas psicopatias, mas estudos relatam que o suicídio não faz parte da natureza do criminoso. Ele perderia sua fonte de alimento existencial”.

O The New York Times afirma que o investidor foi encontrado enforcado na cela e declarado morto logo que chegou ao pronto-socorro.  Segundo a reportagem, Epstein havia sido colocado em observação para risco de suicídio há duas semanas, depois que foi encontrado quase inconsciente na cela com ferimentos no pescoço.

“A pedofilia é uma condição psiquiátrica-orgânica, que influi patologicamente em toda a esfera psicoemocional, sendo uma perversão sexual especialmente orientada pela atração de menores. Esses monstros urbanos apresentam uma das piores manifestações de uma parafilia sexual”, declara o escritor.

O bilionário, cujos amigos incluem o presidente Donald Trump, o ex-presidente Bill Clinton, o príncipe Andrew, da Grã-Bretanha, Leslie Wexner, dono entre outras da marca de Victoria’s Secret, e milionários como Mort Zuckerman e o cofundador de Google Sergey Brin, já havia sido condenado por pagar jovens por massagens sexuais. Ele passou 13 meses em uma prisão do condado, da qual poderia sair durante o dia e retornar à noite, antes de ser libertado, em 2009.

O psicólogo escreve sobre Jeffrey Epstein em sua obra “Monstros Urbanos”, uma coleção de três volumes, na qual Alexandre aborda histórias dos maiores pedófilos, assassinatos e estupradores do mundo.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.