Simulado de acidente de trânsito ocorre aos pés do Obelisco nesta quinta-feira (23.05)

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O simulado para socorro às vítimas de acidentes de trânsito está marcado para esta quinta-feira (23.05) às 10h aos pés do Obelisco, na Rua do Imperador – um dos pontos de maior visibilidade da cidade. No local, um veículo de um acidente real já é possível ser visto. Ele será usado para a cena de um atropelamento que deverá envolver, ainda, uma motocicleta. A ação faz parte do Maio Amarelo e é realizada numa parceria da CPTrans com o Corpo de Bombeiros, Samu, Polícia e Guarda Civil. Serão cerca de 30 pessoas envolvidas na atividade.

A simulação promete chamar atenção de quem passa pelo local. Ela também servirá para avaliação do tempo de resposta para socorro de vítimas de acidentes na cidade. O objetivo é mostrar às pessoas sobre as consequências que um acidente pode ter no dia a dia das famílias através de uma simulação bem próxima à realidade vivida por tantas pessoas.

“Pelo terceiro ano teremos esse tipo de ação em um ponto central da cidade. As pessoas param, questionam e isso provoca uma reflexão. O que observamos é que no momento da simulação muita gente vem relatar suas experiências reais e como elas impactaram na mudança de comportamento no trânsito. Nossa expectativa é que, ao presenciar essa cena, ainda que fictícia, as pessoas se sensibilizem e busquem dirigir com mais segurança”, destaca o diretor-presidente da CPTrans, Jairo Cunha.

Dados dos Anuários Estatísticos de Acidentes de Trânsito mais recentes desenvolvidos pela CPTrans, apontam que anos de 2016 e 2017, houve queda no número de vítimas fatais ‘em cena’, ou seja, no local do acidente. De acordo com o estudo de 2016 apontam foram 18 óbitos e do ano seguinte, 2017, aponta que foram 17 mortes. A companhia também contabilizou o número de mortes pós-cena, ou seja, aquelas pessoas que sofreram um acidente e não morrem no local do sinistro: os dados levantados apontam que, nessas condições, foram 20 óbitos registrados em 2017 (primeiro ano em que esse número passou a ser contabilizado).

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.