Setembro Amarelo: estudantes da Escola Firjan SESI Petrópolis criam projeto de estímulo à empatia e autoconhecimento

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Empatia, autoestima e autoconhecimento são algumas das palavras que marcam a iniciativa de um grupo de estudantes do Ensino Médio da Escola Firjan SESI Petrópolis. Cinco jovens se uniram para tratar de um tema muito sensível, o suicídio.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que mais de 800 mil pessoas cometem suicídio por ano, o que corresponde a uma morte a cada 40 segundos. Este número significa que, apesar de o assunto ser delicado, não pode ser ignorado.

Motivados pelo Setembro Amarelo, os alunos desenvolveram um trabalho de prevenção, levando informações aos demais estudantes e destacando a importância de compreender o outro. Ayron Motta, Juliana Roque, Yuri Kneipp, Janaina Kelly, Maria Alice Fernandes e Bernardo Krischer dividem a mesma sala do 3º ano do Ensino Médio. Eles poderiam estar pensando na escolha da profissão ou debruçados nos estudos para as provas do Enen, porém, resolveram dar a chance de outros alunos se abrirem.

Para se aproximar dos jovens do ensino fundamental e médio, os estudantes se emprenharam em uma pesquisa, criaram conteúdo lúdico e desenvolveram dinâmicas para abordar os temas.

“Ao fim da palestra, as reações são diversas. Eles param para refletir, se abraçam, pedem desculpas uns aos outros por alguma crítica, brincadeira ou piada de mau gosto e, aí, vemos que o objetivo foi atingido. Nossa intenção é que eles entendam o que é empatia e se enxerguem no lugar do outro”, contou Juliana.

O sofrimento particular foi um incentivador na criação do projeto. Vítimas de bullying pelas próprias características, os jovens passaram de oprimidos para agentes de mudança. “Viver em uma sociedade em que a pressão nos é imposta constantemente é muito difícil. Lidar com este fenômeno não é algo tão simples assim, mas se faz muito necessário. Então, dar oportunidades de aproximação, confiança e do desabafo pode mudar a vida de quem está sem rumo”, destacou Yuri.

A coordenadora da Escola Firjan SESI Petrópolis, Bianca Melo enfatizou a importância da iniciativa: “Fiquei emocionada por perceber os valores dos alunos que temos em nossa escola. Em uma sociedade tão individualista como a atual, ter jovens preocupados com outro mesmo quando eles passam por momentos de pressão e de escolhas, é um grande orgulho. O mundo precisa de pessoas assim que não pensem somente em seus problemas, mas que olhem para o outro, olhem para o lado e tentem entender, ouvir e ajudar aqueles que estão precisando de apoio”, comemorou Bianca.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.