Mais quatro suspeitos foram presos, na tarde deste sábado, em uma ação do Batalhão de Choque na Favela do Caju. Na madrugada, sete suspeitos foram mortos durante confronto de facções rivais e policiais militares na Chatuba. De manhã, nove suspeitos já tinham sido presos.

Desde o início da operação, 14 fuzis e uma pistola foram apreendidos. Entre os fuzis, 12 são de fabricação estrangeira, de acordo com o comandante do Batalhão de Choque, Coronel Mauro Fliess.

O comandante afirmou que os suspeitos mortos na madrugada foram socorridos ainda com vida e morreram ao dar entrada no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro. Mais cedo, a Secretaria Municipal de Saúde informou que todos chegaram mortos ao hospital.

“Efetivamente, se os sete marginais foram vitimados pela ação do Batalhão de Choque ou pela acao da facção rival, só com investigação para comprovar”, disse o comandante.

Questionado sobre a versão da Secretaria Municipal de Saúde de que os suspeitos chegaram sem vida ao Souza Aguiar, o coronel disse que “foram socorridos com vida e faleceram ao dar entrada no hospital. Agora, efetivamente, essa comprovação fica a cargo do médico”.

Foram presos de manhã: Júlio César de Oliveira Soares, 27 anos; Thiago da Silva Monteiro, 22; Rômulo Oliveira Queiroz, 25; Thiago Araújo da Silva, 28; Lucas Souza de Lima, 18; Jefferson da Silva Militam, 22; Luiz Carlos Gomes Figueiredo, 33; Anderson Ribeiro dos Santos, 25; e Yuri Ramos dos Santos, 20. Oito deles são oriundos da Comunidade Parque União, no Conjunto de Favelas da Maré. Os quatro presos à tarde foram encaminhados à Cidade da Polícia, no Jacarezinho, e ainda não foram identificados. A PM não informou os nomes dos mortos.

As investigações estão em andamento na Divisão de Homicídios (DH) da Capital. Segundo a Polícia Civil, a perícia foi feita no local e os homens mortos, ainda não identificados, encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML).

“Os PMs envolvidos na ação estão sendo ouvidos, neste momento, na especializada. Suas armas foram apreendidas e encaminhadas à perícia”, disse a Civil em nota.

Além dos fuzis e da pistola, os policiais recolheram 37 carregadores das armas, 790 munições de diversos calibres, quatro granadas, dois radiotransmissores e coletes balísticos.

ODIA