Rafael Wallace

SEMINÁRIO DA ALERJ: Moda íntima gera 20 mil empregos na Região Serrana

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Os setores de moda íntima e de praia, produção de óleo e gás, automotivo, e de tecnologia são os que mais impulsionaram a economia e geraram mais empregos no estado do Rio de Janeiro. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (17/05) no último dia do seminário realizado pelo Fórum de Desenvolvimento do Rio, órgão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Relações Internacionais.

O subsecretário de Indústrias, Comércio, Serviços e Ambiente de Negócios, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Relações Internacionais, Celso Marcon, afirmou que em Cabo Frio, na Região dos Lagos, onde há maior concentração de moda praia, são gerados de 12 mil a 15 mil empregos diretos e indiretos. Já em Nova Friburgo, Região Serrana, são 20 mil empregos diretos e indiretos com a produção de moda íntima. “Vinte e cinco por cento de toda a produção de moda íntima do Brasil vem de Friburgo”, afirmou ele, observando ainda que os setores automotivo (em Resende, Porto Real e Itatiaia) e metal mecânico (em Barra do Piraí e Barra Mansa, no Sul Fluminense) são importantes para a geração de mais vagas de trabalho. “O interior tem grande potencial de emprego e precisa de investimentos do governo para a construção de estradas, rodovias, energia eólica. Para que gere emprego, o estado precisa estar presente no interior”, concluiu Marcon

Presente ao seminário, o deputado Luiz Paulo (PSDB) disse que o papel da Assembleia Legislativa é cobrar do Executivo que seja feito um planejamento estratégico de desenvolvimento econômico e social. “É necessária uma visão setorial integrando todos os Arranjos Produtivos Locais (APL) para maior sinergia com objetivo de mais postos de trabalho e mais renda”, afirmou o parlamentar.

O professor da Fundação Dom Cabral, Paulo Vicente Alves, comentou que a tecnologia pode substituir pessoas por máquinas, mas destacou a importância da capacitação da mão de obra. “A tecnologia pode criar novos empregos. Na verdade, não faltará vagas; o que vai faltar é capacitação e precisamos de um investimento maciço para criar uma massa intelectual para seguir essa revolução tecnológica”.

Novos debates

Segundo a subdiretora do Fórum, Geiza Rocha, os debates sobre a geração de emprego no estado continuam nas próximas semanas. “O Fórum em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN) realiza nos dias 31 de maio e 03 de junho duas tardes de workshops com alguns dos convidados que estiveram na Alerj durante o seminário. “Nosso objetivo é construir uma agenda conjunta de ações para vencer o desemprego”, destacou. Os resultados do workshop serão divulgados, posteriormente, na Alerj, em novo evento aberto ao público.

Também estiveram presentes no seminário representantes da Fercomércio e do Cluster Automotivo Sul Fluminense; o secretário-executivo do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), João Batista Mattosinho Filho; a pesquisadora do grupo de economia da inovação do Instituto de economia da UFRJ, Fernanda Steiner Perin; e o gerente de relações institucionais, imprensa e responsabilidade social corporativa do Porto do Açu, Caio cunha.

Fonte: Alerj

Crédito da foto: Rafael Wallace

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.