Final de semana composto de vaias, quebra de recorde e taça erguida. Na França, a Seleção Olímpica acabara de conquistar o eneacampeonato do Torneio Maurice Revello (de Toulon). Entretanto, as meninas brasileiras esbarraram na Austrália pela segunda rodada da fase de grupos da Copa do Mundo. E no Brasil, os marmanjos estrearam ao som de vaias, na 46ª Copa América.

Na última quinta (13), o Brasil enfrentou a Austrália, pela segunda rodada da fase de grupos da Copa do Mundo Feminina. O técnico Vadão contou com a volta de Marta (recuperada de lesão) aos gramados. A craque, – que já foi considerada seis vezes a melhor jogadora do mundo, – empolgou no seu retorno. Marta Silva chegou ao 16º gol em Copas, se tornando a maior artilheira da competição, ao lado de Klose e a frente até de Ronaldo Fenômeno.

É! Faltou combinar com as australianas que o clima seria de festa após o feito. As brasileiras ainda ampliaram o placar, com gol de Cristiane na assistência de Debinha. Portanto, ao final do primeiro tempo, com gol de Kerr, a Austrália diminuiu e foi pro intervalo na cola do Brasil. Na volta para a segunda etapa do jogo, Logarzzo bateu cruzado (meio sem jeito) e conseguiu empatar o placar.

Sorte no azar! A zagueira Mônica que estava bem no confronto, confundiu a meta e marcou contra, dando números finais à partida. 3 a 2 para as australianas. Na próxima terça-feira (18), teremos o desfecho da fase de grupos para as componentes do Grupo C. O Brasil (precisando vencer) enfrenta a Itália, enquanto Jamaica duela contra a Austrália.

Combo na estreia: ingressos caros e vaia da torcida

Seleção Masculina vence, – mas não convence, – na estreia da 46ª Copa América. Na partida contra a Bolívia nesta sexta (14), o Brasil começou mal e escutou vaias da torcida no intervalo da partida. Parece que um choque de realidade tomou conta do pedaço depois disso, – o espírito vencedor de 1919 também pode ter ajudado.

Nos primeiros minutos do segundo tempo, Philippe Coutinho marcou duas vezes (inspirado em “El Tigre”), chegando aos 16 gols pela equipe principal da CBF. 12 destes foram marcados na “era Tite”. O maior artilheiro continua sendo Gabriel Jesus, que balançou as redes 16 vezes neste período.

O jogo continuou após um torcedor ter acordado do sonho de uma partida fantástica, no Morumbi. Após alguns minutos de silêncio no Estádio, Everton entrou em ação. O atacante do Grêmio marcou um golaço para dar números finais ao placar. No entanto, os 3 a 0 não empolgaram os torcedores que esperavam ver um resultado mais elástico pra cima da fraca seleção boliviana.

Polêmica quando as cifras foram reveladas minutos antes da partida acabar. Pouco mais de 47.000 presentes. Ticket médio a R$ 485,00. Renda na casa dos R$ 22 milhões. Na zona mista Thiago Silva criticou o preço dos ingressos. Coutinho avaliou como normal as vaias no intervalo, haja vista o desdobramento financeiro.

Agora a delegação embarca para Salvador. Na Arena Fonte Nova, o adversário será a Venezuela, em jogo válido pela segunda rodada da fase de grupos da Copa América. Principal favorita dentro do seu grupo, a Seleção ainda volta à São Paulo para dar continuidade a caminhada rumo ao eneacampeonato do torneio continental.

Seleção Olímpica fecha com chave de ouro o final de semana agitado

Dando sequência à preparação para Tóquio 2020, os comandados por André Jardini confirmaram o favoritismo ao baterem o Japão por 5 a 4 nos pênaltis, na final do Torneio Maurice Revello (de Toulon), na manhã deste sábado (15). Os donos da próxima casa dos Jogos Olímpicos deram trabalho no empate por 1 a 1 no tempo regulamentar.

Entretanto, com a melhor defesa (um gol sofrido) e o melhor ataque da competição (14 gols marcados), a Seleção Olímpica comemora o eneacampeonato do Torneio, – pra de repente inspirar as mulheres na Copa do Mundo, e, os homens, na Copa América.

Sem Vinicius Júnior, Thiago Maia e Rodrygo, Jardini tem em mãos a base para os próximos Jogos Olímpicos. Wendel, Douglas Luiz, Lyanco, Mathues Vital, Matheus Cunha, Antony, Pedro, Paulinho, Pedrinho e Ivan, são alguns dos jogadores que fazem parte da campanha rumo ao segundo ouro do Brasil em Olimpíadas.

Para carimbar a vaga em Tóquio 2020, os meninos da Granja ainda disputarão o pré-olímpico, em janeiro do ano que vem.

Fotos: Arquivo CBF