Secretaria de Estado de Agricultura destaca o trabalho da mulher no campo

Segundo dados da Emater-Rio (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio), mais de 33 mil mulheres rurais no estado estão cadastradas pela empresa vinculada à Secretaria de Agricultura. Só no ano passado, seis mil produtoras foram atendidas em todo o território fluminense.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

As mulheres têm cada vez mais conquistado seu espaço no campo e se tornado peça fundamental para a agricultura. E, para celebrar o Dia Internacional da Mulher, neste 8 de março, a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento destaca o trabalho delas, além de oferecer incentivos por meio de programas da pasta.

Segundo dados da Emater-Rio (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio), mais de 33 mil mulheres rurais no estado estão cadastradas pela empresa vinculada à Secretaria de Agricultura. Só no ano passado, seis mil produtoras foram atendidas em todo o território fluminense.

Para o secretário de Estado de Agricultura, Marcelo Queiroz, essa data serve para reconhecer e ressaltar o trabalho e conquistas de todas as mulheres, principalmente no âmbito do agronegócio. 

– É cada vez mais notório o protagonismo feminino na condução do negócio rural. Atualmente, temos um número bem expressivo na atuação de mulheres nesse segmento, isso é resultado de muita luta por mais visibilidade e valorização – disse Marcelo Queiroz. 

A diversificação e a expansão de algumas áreas nos últimos anos revelam o aumento da presença da mão de obra feminina, como no caso da floricultura. Dividindo a rotina com marido, irmã, filhos e nora, no sítio da família em Vargem Alta, Nova Friburgo, na Região Serrana, a produtora Eunice Pacheco, de 45 anos, revela a satisfação de ser uma mulher que atua no agro. 

– A nossa fonte de renda vem de todo o nosso esforço e dedicação na nossa plantação. Desde cedo trabalho na roça, casei e criei meus filhos no sítio, eu amo meu trabalho e tenho muito orgulho de ser mulher rural – destacou Eunice. 

Por conta da pandemia da Covid-19, as vendas de flores despencaram, e a família Pacheco precisou recorrer à plantação de legumes. 

– Levamos um baque com a pandemia e, para garantir o nosso sustento, buscamos novas alternativas para enfrentar a crise – complementou a agricultora. 

Forte e determinada, a produtora Cristina Salles alavancou seu empreendimento com a ajuda do Programa Prosperar, linha de crédito do Governo do Estado. Empreendedora nata, Cristina possui uma agroindústria nos moldes de agricultura familiar, onde cultiva os mais variados vegetais e produz geleias artesanais.

– Trabalho de domingo a domingo com muito prazer, sou grata por ter a oportunidade de plantar no meu próprio sítio as coisas que produzo. Colher algo fresquinho, na horta, e ir direto para panela é espetacular. Apesar das dificuldades, eu amo ser produtora – afirmou Cristina. 

A paixão por flores fez Adelaide Santos ser produtora. Há 32 anos trabalhando com plantas ornamentais e tropicais, em Ilha de Guaratiba, na Zona Oeste da capital, a paisagista e também bióloga oferece cursos neste segmento. 

– Ser reconhecida pelo seu trabalho é incrível. As mulheres do agronegócio são guerreiras, trabalham de sol a sol – concluiu a produtora.

Fonte: Ascom Governo do Estado do Rio de Janeiro

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Faetec: inscrição está aberta para profissional bolsista e outros cursos

Os interessados em realizar um curso profissionalizante podem se candidatar ao edital Qualificação Profissional (voltado para quem possui, no mínimo, Ensino Fundamental incompleto), ou ao edital de Técnico de Nível Médio (destinado para quem está no ato da matrícula cursando o segundo ou terceiro ano do Ensino Médio).

Comentários estão fechados.