Saúde acompanha mais de 32 mil pacientes com diabetes e hipertensão arterial

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

No Brasil, a hipertensão arterial e o diabetes são responsáveis, de longe, pela primeira causa de mortalidade e de hospitalizações, de amputações de membros inferiores e representa ainda 62,1% dos diagnósticos primários em pacientes com insuficiência renais crônicos. Em Petrópolis, o Programa HiperDia, que acompanha os pacientes com estas doenças, tem mais de 32 mil cadastros.

O Hiperdia faz parte da rotina dos 44 postos de Saúde da Família do município. De acordo com os dados do Programa, dos mais de 32 mil cadastros, 24 mil são de pacientes com hipertensão arterial. A doença representa 26% das condições avaliadas em toda a rede de Atenção Básica de Petrópolis. Segundo a Secretaria de Saúde, 70% dos atendimentos desta morbidade têm como pacientes as mulheres e 30% homens.

“O HiperDia é um dos nossos grandes aliados no diagnóstico e tratamento destas doenças, que afetam uma boa parte da população. Temos um trabalho de rotina em nossas unidades de Saúde para acompanhamento destas pessoas, auxiliando no tratamento e possibilitando acesso aos medicamentos. Nossa proposta é continuar avançando no atendimento”, destacou a secretária de Saúde, Fabiola Heck.

O Hiperdia é destinado para fazer o cadastramento e acompanhamento de portadores de hipertensão arterial ou diabetes, atendidos em toda a rede ambulatorial do Sistema Único de Saúde (SUS). Este cadastro permite gerar informação para aquisição, liberação e distribuição de medicamentos com regularidade a todos os pacientes cadastrados. O sistema envia dados para o Cartão Nacional de Saúde. Com isto, o usuário pode ser identificado em toda a rede do SUS.

“Isto é muito importante, pois a informação pode ser acessada em outras unidades que não aquela onde o paciente tem a sua referência, como o posto do seu bairro ou Unidade Básica de Saúde (UBS) mais perto de sua casa. Com a avaliação feita nas unidades podemos perceber a necessidade de cada paciente e avaliar os riscos”, completou Fabiola.

A aposentada Doralice Costa, de 70 anos, tem hipertensão arterial e faz acompanhamento junto ao Posto de Saúde da Família do Bataillard. Ela é atenta ao tratamento e mantém a avaliação diária para saber se a pressão está controlada.

“Recebo uma atenção muito importante das meninas do PSF do bairro. Sempre que há visitas, aproveito e já tiro outras dúvidas, não só para mim quanto para meu marido também. Isto é fundamental para que eu possa manter minha pressão controlada e usar os medicamentos que me indicam”, disse Dona Doralice.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.