Segundo a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), o salário mínimo, reajustado no dia 1º de janeiro, teve aumento real (descontada a inflação) de 1,14% em 2019. Considerando este aumento, foi o primeiro ganho frente ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) após dois anos de queda.

O mínimo nacional foi reajustado pelo governo em 4,61%, passando de R$ 954 para R$ 998. Já o INPC subiu 3,43% em 2018.

Para reajustar o mínimo, o governo considera a variação do INPC no ano anterior (2018) mais o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2017, que foi de 1,1%.

Confira o que variou abaixo do salário mínimo (4,61%):
. Alimentação: 4,04%
. Aposentadoria acima do mínimo (INPC): 3,43%
. Artigos de residência: 3,74%
. Despesas pessoais: 2,98%
. Saúde e cuidados pessoais: 3,95%
. Imóveis (venda): -0,21%
. IPCA (inflação oficial): 3,69%
. Transportes: 4,19%

Confira o que variou acima do salário mínimo (4,61%):
. Educação: 5,32%
. Energia elétrica: 8,7%
. Gasolina: 7,24%
. Habitação: 4,72%
. IGPM (correção do aluguel): 7,53%
. Planos de saúde: 11,7%
. Poupança: 4,62%