Hoje em dia muitas crianças são tratadas de maneira errônea, pois muitas delas possuem “apneia do sono” e ao contrário dos adultos, acabam sendo diagnosticadas como “hiperativas”. Algumas das causas que podem afetar seu filho (a) são irritações e falta de atenção na escola, isso ocorre por falta de uma boa noite de sono.

“Essas crianças podem ficar mais doentes sem um tratamento adequado, pois acabam respirando pela boca e isso pode virar faringite, sinusite, renite em uma série de repetições”, explica o cirurgião bucomaxilofacial, Dr. José Flávio Torezan.

Crianças que dormem com a boca aberta e roncam geralmente tem uma hipertrofia, um aumento de amídala e adenoide. Então, é importante ir a uma consulta com o otorrino, para que ele possa retirar as amídalas e os adenóides. O tratamento para apneia do sono deve ser acompanhado de mudanças no estilo de vida do paciente.

 “O objetivo principal do tratamento é manter as vias respiratórias abertas para que durante o sono a respiração não seja interrompida. Em alguns casos é indicado o uso de aparelhos odontológicos na boca durante a noite para manter a mandíbula posicionada mais para frente e impedir o bloqueio das vias aéreas e em outros casos a cirurgia é a melhor opção”, afirma o cirurgião bucomaxilofacial.

Por que é importante o diagnóstico?

O sono é um período fundamental para diferentes funções do organismo: crescimento, desenvolvimento do cérebro, consolidação da memória e capacidade de aprendizagem, entre outros. As alterações respiratórias e na estrutura do sono que ocorrem na síndrome de apneia obstrutiva do sono podem comprometer todas essas funções.

Para além disso, pode associar-se a consequências metabólicas e cardiovasculares, como hipertensão arterial, que se podem prolongar até à idade adulta, e assim tornar estas crianças em adultos menos saudáveis.

 

Crédito da foto: Reprodução da Internet