Roubos de carga cresceram 60% em Petrópolis em 2017, aponta FIRJAN Foram registrados 26 ocorrências em 2017, dez a mais do que no ano anterior. Em todo o estado do Rio foram mais de 10 mil e prejuízo superior a R$ 600 milhões

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A Rodovia Washington Luiz (BR-040), principal rota de ligação entre Rio de Janeiro e Minas Gerais, e que corta o município de Petrópolis, é uma das vias com maior número de registros de roubos de cargas, segundo o estudo “O impacto econômico do roubo de cargas no estado do Rio de Janeiro”, divulgado pelo Sistema FIRJAN. O levantamento mostra que em 2017 foram registradas 26 ocorrências do crime em Petrópolis, número 62,5% maior do que o ano anterior, quando haviam registradas 16 ocorrências.

Em todo o Rio de Janeiro foram 10.599 casos de roubo de cargas no ano passado, o equivalente a um crime a cada 50 minutos e estimativa de prejuízo de R$ 607,1 milhões. Na comparação com 2016, o aumento no número de roubo de cargas foi de 7,3%. Os 26 casos registrados em Petrópolis representam prejuízo de R$ 1,5 milhões.

A BR-040 está no grupo de cinco rodovias fluminenses com maior incidência do crime de roubo de cargas: BR-101/Avenida Brasil, BR-101/Niterói-Manilha, BR-116/ Presidente Dutra e BR-493/Arco Metropolitano. Em comum está o fato de todas possuírem trechos em que há presença do crime organizado, que nos últimos anos vem utilizando o roubo de cargas como fonte de financiamento do tráfico de armas e drogas. Das 138 delegacias da Polícia Civil no estado, 11 concentraram mais da metade das ocorrências de 2017.

Apesar do aumento geral na comparação com o ano anterior, houve redução das ocorrências a partir de agosto de 2017, depois da implementação do Plano Nacional de Segurança Pública: os 4.511 casos observados de agosto a dezembro representaram uma queda de 10,2% em relação ao mesmo período de 2016.

No entanto, a FIRJAN defende que a atuação conjunta dos governos federal e estadual precisa ser reforçada, uma vez que 37 caminhões foram roubados por dia no estado do Rio somente em dezembro.

A Federação das Indústrias aponta, em seu Mapa do Desenvolvimento do Estado do Rio 2016-2025, o enfrentamento desse crime como indispensável para a recuperação da economia fluminense. Isso porque, além de servir como fonte de financiamento de outras atividades criminosas, o roubo de cargas possui impactos diretos na atividade produtiva, geração de empregos, arrecadação de tributos e atração de novos investimentos.

O Sistema FIRJAN, em conjunto com mais de 100 entidades, liderou em 2017 o Movimento Nacional Contra o Roubo de Cargas – Carta do Rio de Janeiro, que aponta nove ações prioritárias para o combate a esse tipo de crime. Entre elas estão o endurecimento das penas para os crimes relacionados a roubo de cargas, como a receptação de mercadorias roubadas, com cassação do CNPJ da empresa envolvida; maior atuação na proteção das fronteiras nacionais e maior atuação integrada das forças de segurança, em todos os níveis de governo.

Uma das ações propostas pelo movimento já foi implementada: a proibição de comercialização de bloqueadores de sinal de radiocomunicações (jammer), medida aprovada pela Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) a partir da mobilização da sociedade civil organizada.


O estudo “O impacto econômico do roubo de cargas no estado do Rio de Janeiro” pode ser acessado através deste link: http://www.firjan.com.br/publicacoes/publicacoes-de-economia/o-impacto-economico-do-roubo-de-cargas-no-rio-de-janeiro.htm#pubAlign

Fonte: Sistema FIRJAN

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.