“O Defesa Civil nas Escolas é uma ideia inovadora e que determina um padrão que pode ser modelo para o todo país”, disse o promotor da Organização das Nações Unidas (ONU), Sidnei Furtado, na abertura do II Colóquio de Defesa Civil, realizada nesta terça-feira (09.10) no auditório da Universidade Estácio de Sá, no Bingen. Além dele, participaram do primeiro dia de palestras representantes da Defesa Civil da cidade do Rio de Janeiro, Niterói e Nova Iguaçu. O eixo profissional discutiu sobre a construção de cidades resilientes, com foco na prevenção aos desastres de origem natural. A política pública de inserção dos temas Proteção e Defesa Civil e Educação Ambiental foi destacada pelos representantes dos órgãos presentes no congresso.

“A prevenção é o melhor caminho para a construção de uma cidade resiliente. É fantástico que Petrópolis possa inserir os temas na rede municipal de ensino, fortalecendo o senso crítico dos alunos. É importante que os estudantes tenham a percepção de riscos e que tomem medidas para reduzir os perigos nos seus bairros”, garantiu Marcelo Abelheira, engenheiro civil da Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil do Rio de Janeiro (SUBPDEC).

O encontro dos profissionais faz parte do conjunto de ações do governo municipal no desenvolvimento de uma cultura de resiliência na cidade, promovendo a discussão dos moradores com os técnicos da Defesa Civil municipal. Até a próxima quinta, dia 11, o congresso propõe a discussão em torno da prevenção aos desastres de origem natural também nos eixos acadêmico e comunitário. Durante os dias de palestras, também serão apresentados os primeiros trabalhos realizados pelas escolas dentro da política pública municipal de Defesa Civil nas Escolas.

“Não existe um saber mais importante que o outro.  É fundamental o compartilhamento de experiências na busca por uma cidade mais resiliente. A intenção é estarmos mais próximos das universidades e dos centros de pesquisa, assim como das outras Secretarias de Defesa Civil municipais. Seguimos trabalhando de forma organizada e antecipada contra os desastres”, disse o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz.

Nesta quarta, acontecem oito palestras com professores universitários, começando às 9h. Também está previsto um debate entre os conferentes às 16h. Na quinta, seis escolas apresentam seus trabalhos realizados dentro da política pública municipal de Defesa Civil nas Escolas. Além disso, acontece a capacitação dos estagiários voluntários inscritos no SOS Chuvas, a partir das 14h. O encerramento das atividades será às 17h.

“Nossa ideia é que o nosso congresso funcione como um modelo promotor da redução do risco de desastres para todo o país. Desde o ano passado realizamos uma série de ações com foco na prevenção aos desastres. Ganhamos o reconhecimento da ONU e do Tribunal de Contas do Estado por todo esse trabalho. Acredito que o nosso governo está no caminho certo”, explicou o secretário.

Também estiveram presentes na abertura do II Colóquio de Defesa Civil o secretário chefe de gabinete Renan Campos, o comandante do 15° Grupamento de Bombeiro Militar (GBM), tenente coronel Ramon Camilo, representantes do Exército, Polícia Militar e da REDEC da Região Serrana.