Foto: Agência Senado

Relatório final da CPI é entregue por Renan Calheiros com 78 crimes Atribuídos à 76 pessoas

Jair Bolsonaro pode perder o acesso à redes sociais após votação do relatório final, que deve ser divulgado na quarta-feira (27)
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O relator da CPI da Covid-19, senador Renan Calheiros (MDB-AL), protocolou, na manhã desta terça-feira (26), a versão final do relatório que vai ser votado pela comissão. O documento pede o indiciamento de 76 pessoas, entre elas, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e os filhos Flávio, Carlos e Eduardo Bolsonaro e duas empresas.

Como a comissão havia anunciado na segunda-feira (25), o relatório também pede o afastamento do presidente das redes sociais “a fim de garantir a ordem pública, para a proteção da população brasileira”.

O relatório é votado ainda nesta terça e a princípio, será entregue, nesta quarta-feira (27), à Procuradoria-Geral da República (PGR), órgão que vai conduzir as investigações sobre indiciados com foro privilegiado. O documento também será remetido à primeira instância do Ministério Público Federal (MPF), que investigará pessoas sem foro.

Na última semana, Calheiros leu a versão do relatório que pedia o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro, mais 65 pessoas e duas empresas, entretanto, após reunião do G7, grupo majoritário da comissão, na noite de segunda, o número de indiciamento aumentou.

A votação do relatório, que acontece de forma nominal, vai ser o verdadeiro teste da unidade do grupo majoritário na comissão.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.