Relator apresenta novo texto da reforma da Previdência

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Por Marquezan Araújo

Antes de ir para votação no Plenário da Câmara dos Deputados, o texto da reforma da Previdência teve outra alteração. Após apresentar a nova redação a líderes da base aliada, o relator da matéria, deputado Arthur Maia (PPS-BA), confirmou as mudanças nesta quarta-feira (7).

A novidade ficou por conta da inclusão de pensão integral para viúvos e viúvas de policiais mortos em combate. Vale ressaltar que a regra não vale para policiais militares, pois eles já estão inseridos no regime de aposentaria próprio da categoria.

As aposentadorias rurais e o Benefício da Prestação Continuada (BPC) continuam fora da reforma, ou seja, as regras para esses benefícios permanecem como estão. Além, disso, o novo texto manteve a diminuição do tempo de contribuição de 25 para 15 anos para trabalhadores da iniciativa privada que desejam se aposentar com valor parcial.

No entanto, Arthur Maia destaca dois pontos que o governo não abre mão no texto da reforma. “É inegociável tirar da proposta o estabelecimento de uma idade mínima para aposentadoria. Também é inegociável tirar a isonomia entre o setor público e o privado. Não é razoável que um servidor público possa se aposentar com até R$ 33 mil, e os servidores do setor privado com apenas R$ 5.500”, disse.

Ainda de acordo com o parlamentar, pode haver negociações no dia da discussão em Plenário. Durante entrevista nesta quarta-feira (7), o líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), também fez menções à reforma da Previdência.

Na ocasião, disse que a sociedade começa a entender a necessidade de mudanças nas regras para aposentadoria. “Acho que a sociedade percebe agora a necessidade, e tem a consciência de que, de fato, é imprescindível reformara Previdência Social brasileira”, afirmou.

O deputado disse ainda que o governo trabalha com a possibilidade de o texto ser votado até o dia 28 deste mês.



Déficit
A Secretaria da Previdência do Ministério da Fazenda apresentou recentemente os números da Previdência relativos ao ano passado. De acordo com o balanço, o déficit no setor chegou a R$ 268,79 bilhões, rombo 18% maior do que o registrado em 2016. O resultado é a soma dos prejuízos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e dos Regimes Próprios dos Servidores Públicos (RPPS) da União.

Para a economista-chefe da ARX Investimentos, Solange Srour, o rombo da Previdência é um problema que, no futuro, pode acabar com o pagamento dos benefícios. “Não tem dinheiro para investir em Educação e Saúde, e a questão é que se a gente não resolver esse problema, nem os servidores públicos vão receber suas aposentadorias”, afirmou.

Servidores públicos
Para os servidores públicos, a regra sobre o tempo mínimo de contribuição vai ser diferente em comparação ao regime dos contribuintes do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Pelo novo texto apresentado nesta quarta-feira (7), para ter acesso ao benefício, os servidores públicos têm que contribuir com a Previdência por 25 anos. Tanto no caso de servidores públicos como da iniciativa privada, quem quiser receber o valor integral da aposentadoria terá de contribuir por 40 anos.

Segundo o relator da proposta, deputado Arthur Maia, as mudanças diminuem a injustiça em relação aos trabalhadores da iniciativa privada, que correm o risco de serem demitidos e deixarem de contribuir por um tempo.

“As estatísticas mostram que, em regra, quem está no serviço público contribui por mais tempo, por terem estabilidade no emprego. Na iniciativa privada, o trabalhador fica um período desempregado, aí deixa de contribuir, depois volta a contribuir, depois fica de novo sem contribuir. Então nós resolvemos fazer essa distinção”, argumenta o relator.

Fonte: Agência do Rádio Brasileiro

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.