Reforma trabalhista impulsionou mercado de trabalho no Brasil, afirma ex-ministro do Trabalho

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Por João Paulo Machado

Os efeitos da reforma Trabalhista, em vigor desde novembro do ano passado, já começaram a ser observados pela população. A avaliação é do deputado federal e ex-ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira (PTB-RS). De acordo com o político, a nova legislação que, segundo ele, privilegia o diálogo entre empregados e patrões, trouxe segurança jurídica ao mercado de trabalho.

“Os acordos coletivos de trabalho, tendo força de lei, fazem com que o empregador não fique com medo de contratar”, afirma.

Segundo Nogueira, a insegurança jurídica presente na legislação anterior era uma das preocupações mais relatadas por empresários e empreendedores na hora de contratar novos funcionários. Um levantamento feito pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) e divulgado pelo jornal ‘O Estado de S. Paulo’ revelou que no mês seguinte à reforma, o número de ações trabalhistas na Justiça recuou de uma média mensal de 200 mil para 84,2 mil.

O ex-ministro do Trabalho relata que, em dezembro de 2014, o Brasil começou a perder uma média de 100 mil postos de trabalho por mês. “Em 2015, foram 1,5 milhão de cargos perdidos. Em 2016, mais de 1,2 milhão”. A nova legislação, segundo Nogueira, põe fim a sequência de maus resultados.

“Depois da modernização da legislação trabalhista, o Brasil começou a recuperar a sua capacidade de geração de empregos e produziu mais de 30 mil postos de trabalho por mês”, prosseguiu o político. “A confiança possibilitou a retomada do emprego”, finalizou.

A reforma Trabalhista gerou meses de discussões na Câmara e no Senado Federal. A nova legislação prevê, entre outras coisas, a divisão dos 30 dias de férias em até três períodos e determina que ajustes na jornada de trabalho, quando de comum interesse, tenham força de Lei, desde que respeitados os limites previstos na Constituição. A norma também pois fim a obrigatoriedade do pagamento da contribuição sindical.

Fonte: Agência do Rádio Brasileiro

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.