Foto: Prefeitura Municipal de Búzios

Quilombos do estado do Rio de Janeiro são os mais atingidos pela Covid-19

A informação foi apresentada, nesta sexta-feira (18)
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

De acordo com levantamento da Associação das Comunidades Quilombolas do Estado do Rio de Janeiro (Acquilerj), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde, comunidades quilombolas do Estado do Rio são as mais atingidas pelo coronavírus no Brasil. A informação foi apresentada, nesta sexta-feira (18/06), durante a audiência pública da Comissão Especial de Enfrentamento à Miséria da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), pela deputada Renata Souza (PSol), que preside a comissão.

Ainda segundo o estudo, o Estado foi um dos últimos do país a incluir os quilombolas na lista de prioridades da vacinação. “Os dados demonstram o tamanho da vulnerabilidade a que esses grupos estão submetidos no cotidiano e a ausência de reconhecimento de seus territórios com a falta de acesso aos direitos básicos e à políticas públicas”, disse a parlamentar.

Os participantes da reunião debateram propostas ao projeto de lei 4.038/21, de autoria de Renata Souza, que cria a Política Estadual para o Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais no Estado do Rio, com o objetivo de promover o reconhecimento e o fortalecimento de direitos territoriais, sociais, ambientais e econômicos destas populações. Segundo dados da Coordenação Nacional de Comunidades Negras Rurais Quilombolas, apenas três das 48 comunidades quilombolas do Estado do Rio possuem título de propriedade.

Para a presidente da Associação de Comunidades Quilombolas do Rio de Janeiro (Acquilerj), Ivone Bernardo, um dos maiores desafios das comunidades quilombolas em nível estadual e nacional é a falta de titulação dos territórios. “Das 52 comunidades quilombolas localizadas no Estado, apenas quatro territórios são integralmente titulados”, pontua. Bernardo também ressaltou como aspectos a serem considerados pelo PL a criação de diretrizes específicas de educação quilombolas e outros povos tradicionais; a previsão sobre incentivo e fortalecimento de políticas de escoamento de produção, de infraestrutura e de acesso destas populações, além da instalação de políticas que promovam a segurança alimentar e nutricional das comunidades.

Já o presidente da Associação Homens e Mulheres do Mar da Baía de Guanabara (Ahomar), Alexandre Anderson, sugeriu a inclusão de águas e rios ao texto do projeto. “Incluir os pescadores artesanais e caiçaras é muito importante. O projeto vai abranger, no mínimo, 90 comunidades, núcleos e vilas pesqueiras só na Região Metropolitana do Estado, sendo importante para nos manter no território e salvaguardá-los”, explica.

O representante da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Institucionais do Rio de Janeiro (Sedeerj), Sergio Martins, disse que o governo quer lançar um programa de desenvolvimento para o Estado, passando não só pelo aspecto econômico, mas também pelo social. “Mais de 60% da força produtiva no Estado é gerada por micro e pequenas empresas, há uma preocupação com o arranjo de incentivos para produtores locais. Ao longo dos anos, havia uma política de se olhar muito para a Região Metropolitana, mas precisamos também de um interior forte”, comentou.

Também estiveram presentes na reunião as deputadas Celia Jordão (Patriota) e Zeidan (PT), e o deputado Waldeck Carneiro (PT).

Fonte: Alerj

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.