Quatro anos depois, Aécio se elege e Dilma fica sem mandato

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Se, há quatro anos, Dilma Rousseff (PT) saía à frente de Aécio Neves (PSDB) nas eleições presidenciais, agora, na disputa por cargos do Legislativo por Minas Gerais, a ex-presidente perdeu no Senado, enquanto o tucano garantiu o cargo de deputado federal. Contrariando as pesquisas, que davam como certa a vitória da petista, os mineiros elegeram Rodrigo Pacheco (DEM) e Carlos Viana (PHS), com 20,54% e 20,28% dos votos válidos, respectivamente. A candidata do PT teve 2.658.852 votos e ficou em quarto lugar, com 15,4% da preferência dos eleitores. Aécio Neves (PSDB), que há quatro anos enfrentava a petista nas urnas na corrida presidencial, conquistou perto de 106 mil votos e garantiu uma cadeira na Câmara dos Deputados.

A derrota de Dilma Rousseff pegou de surpresa os militantes, que lamentavam, na noite de ontem, o resultado da apuração. “Minha crítica é principalmente ao sistema, recheado de diversos partidos que são mais do mesmo. O que há de novo no partido Novo? Enquanto não tivermos uma reforma política, o cidadão será a vítima”, analisa Abelar Quintiliano, filiado ao partido, em entrevista ao Estado de Minas. Ao votar pela manhã, na região da Pampulha, a ex-presidente criticou o processo de impeachment, que a tirou do Palácio do Planalto, em 2016. “Hoje é um momento muito especial para o país porque estamos reafirmando a democracia no Brasil, que foi tão golpeada tanto no impeachment quanto no processo de sucessão”, disse.
Pacheco (DEM) e Viana (PHS) terão oito anos de mandato, a partir de 2019. O primeiro é advogo e deputado federal. Foi candidato a prefeito de Belo Horizonte nas eleições de 2016 e terminou a disputa em terceiro lugar. Já Viana é de Braúnas. Jornalista, trabalha na Rádio Itatiaia e também é formado em Estratégia pelo Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais (CEPEAD/UFMG).

Vaias

Embora eleito, Aécio Neves não foi o candidato mais votado, conforme previa o Ibope. O tucano ficou na 18º posição — o estado tem direito a 53 cadeiras na Câmara. O deputado federal com maior número de votos em Minas foi Marcelo Alvaro Antonio (PSL), com quase 229 mil votos válidos. À tarde, Aécio Neves foi hostilizado por eleitores no Bairro de Lourdes, em Belo Horizonte. Assim que chegou ao local, por volta das 16h20, o senador e ex-governador do estado ouviu vaias e insultos, como “ladrão”, “traidor” e “golpista”. Os manifestantes ainda cantaram uma marchinha de carnaval ironizando o tucano, que permaneceu no local por aproximadamente cinco minutos. Apesar dos xingamentos, Aécio se manteve calmo e não entrou em discussão com os eleitores.
Assim que concluiu o voto e deixou a seção eleitoral, o senador foi atingido por uma garrafa de água, que estava vazia, além de ser chamado novamente de “golpista”. Perguntado sobre a recepção negativa, o candidato disse que as manifestações fazem parte da democracia. Ele também ressaltou que o pleito de 2014 foi “corrompido”. Questionado se apoiaria algum candidato à presidência no segundo turno, que será disputada por Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), Aécio Neves não declarou o voto, mas afirmou que jamais apoiaria o PT.

Fonte: ESTADO DE MINAS

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.