Quarteto vocal Cantrix lança versão de “Drão”, de Gilberto Gil

O grupo de atrizes cantoras nasceu há 18 anos e é conhecido por homenagear a vida e obra do ícone baiano.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Nesta sexta, dia 20, o quarteto de cantoras e atrizes CANTRIX apresenta sua versão do sucesso “Drão”, acompanhada de clipe no YouTube, produzido pelas próprias artistas. Formado por Renata Ricci, Vanessa Mello, Valéria Barcellos e Nathália Serra, o grupo escolheu o repertório do ícone Gilberto Gil – e tudo o que ele representa – para levantar temas relevantes, como o empoderamento feminino e a diversidade sexual, de um modo leve e singular. Com uma forte veia dramática, há 3 anos elas performam o CANTRIX Canta Gil, um show repleto de história e atitude que passará a integrar todas as plataformas digitais, através da gravação dos principais singles em estúdio. Em junho, em homenagem aos 79 de Gil, o grupo lançou a primeira faixa do EP: um medley que une os sucessos Palco, Toda Menina Baiana, Realce e Domingo no Parque.

O Cantrix nasceu em 2003 e já percorreu diversas casas de shows e espaços culturais, com algumas mudanças em sua formação ao longo do tempo – Ana Canãs, Miranda Kassin, Aline Muniz e Yael Pecarovich são artistas que já integraram o grupo. Inclusive, a música “Drão” é performada pelo quarteto desde sua fundação, há 18 anos, e o seu lançamento é uma homenagem à recente saída da cantora Yael, que participou do projeto desde o início, juntamente com Renata Ricci. Ao todo, são 6 composições repaginadas de Gilberto Gil que o CANTRIX irá lançar até o final do ano. O grupo também está produzindo um documentário próprio que retrata seus ideais, ciclos e transformações.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Érico Moreira lança single para embalar o verão brasileiro

A música tem clima de verão, perfeita para embalar o calor que, em breve, volta com tudo nas terras tupiniquins. Com uma batida meio africana misturada com células rítmicas de maracatu, Quando a Maré Encher faz referência às lembranças da adolescência do artista em Paraty.

Comentários estão fechados.