A saúde do coração está diretamente ligada à saúde do pênis, pois doenças como hipertensão, aumento do colesterol, obesidade e hábitos como consumo de tabaco e álcool, além do estresse, são fatores de risco que atingem o coração e têm impacto direto na vida sexual dos homens, podendo causar a tão temida disfunção erétil, popularmente conhecida como impotência.

Segundo pesquisa da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), a condição é o segundo problema de saúde mais temido pelos homens, depois das doenças cardiovasculares e o infarto. A disfunção erétil é observada em 5% dos homens aos 40 anos e em até 15% dos homens aos 70.

Segundo o urologista Eduardo Bertero, “a dificuldade de ter ou manter uma ereção pode estar associada a problemas vasculares, quando não há uma boa circulação de sangue pelo corpo, mais precisamente, quando existe um fluxo sanguíneo inadequado para as artérias do pênis”. O médico afirma ainda que estresse ou maus hábitos alimentares e consumo de álcool e tabaco também podem impactar na vida sexual masculina.

A disfunção erétil afeta a qualidade de vida do homem, em relação à autoestima, e consequentemente, atinge a qualidade de vida da família, que se relaciona com o paciente. O especialista esclarece que existem opções de tratamento para a disfunção erétil como medicações via oral, injeções intracavernosas e tratamentos definitivos como a colocação de um implante.