As novas gerações já nascem na era da tecnologia. Por isso, é cada vez maior a participação de crianças e adolescentes interagindo no mundo virtual. E vendo o número crescente deste público conectado à internet, é que a psicopedagoga e palestrante Ana Regina Caminha Braga, dá um alerta aos pais, que é preciso cuidado com o tempo e monitoramento na qualidade do conteúdo consumido, pois os Youtubers podem sim influenciar no comportamento desse público, negativamente.

Segundo a educadora, o youtube é um canal benéfico quando utilizado adequadamente para pesquisa e entretenimento. Os adultos sabem o que pode ou não ser consumido, mas as crianças e os jovens não tem esse mesmo discernimento, e se mal orientados, esse conteúdo digital pode ser inadequado, incentivando, por exemplo, o vício em tecnologia, o consumismo exagerado, a realização de experimentos perigosos ou ainda estimular comportamentos e linguagens que não são para a idade. “Quando falamos de crianças e adolescentes, conversamos sobre seres humanos em formação cognitiva e de personalidade. E os Youtubers, por sua vez, expõem muitas temáticas de interesse desse público em formação, mas que precisam de limites, diálogos, orientações e acompanhamentos do adulto para que não seja influenciado de maneira negativa, refletindo em seus comportamentos”.

Limite é base de tudo comenta Ana Regina. Ela afirma ainda que os responsáveis devem ter claro quais são os valores e atitudes esperadas dos filhos quanto à utilização da internet. O diálogo e a assistência são fundamentais. Também é preciso limitar horários de acesso, fiscalizar todas as páginas, os vídeos, e deixar uma lista do que pode ser visto e do que não pode. “A geração Y tem uma aderência a tecnologia pela facilidade com os eletrônicos, entretanto ela não deve interferir nos limites existentes. A educação deve ser a mesma sempre, pautada nos valores éticos de respeito a si e ao outro, respeitando tempo, ritmo, tarefas e obrigações. A conectividade não pode atrapalhar a produtividade do ser humano”.

Ela ressalta ainda que nada em excesso traz benefícios e quando o assunto é o uso da internet, não poderia ser diferente.  “O uso da tecnologia é necessário, mas utilizá-la de maneira consciente para estudos e para entretenimento, mas sempre com moderação.  O tempo indicado seria no máximo de 2 horas, fracionadas ao longo do dia”. A especialista alerta ainda, que o uso exagerado dessa plataforma pode comprometer a produtividade e seu desenvolvimento cognitivo.

E para finalizar, a educadora comenta que os responsáveis devem lembrar sempre da sua função e do seu papel como orientadores dos filhos. “Os pais são as peças fundamentais para o desenvolvimento sadio cognitivo, afetivo e social da criança, adolescente e futuro adulto”.

 

Foto: Priscilla Fiedler / Crédito da foto: Priscilla Fiedler