O Programa Promotores da Paz (Proppaz) agora é uma política pública permanente em Petrópolis. O projeto, realizado pela Guarda Civil e pela Secretaria de Educação com apoio de outros órgãos da prefeitura (como a Superintendência de Esporte e Lazer e a CPTrans, por exemplo), foi formalizado em lei aprovada pela Câmara de Vereadores na noite dessa terça-feira (06.02). Com isso, ele passa a uma ação que deverá ser feita sempre no município – um grande presente no ano em que completa 10 anos de existência.

Ele foi criado em 2008 com o objetivo de passar noções de cidadania, valorização da família, cultura da paz, educação para o trânsito, prevenção ao uso de drogas e motivação para estudantes de 8º e 9º anos do ensino fundamental.

“O prefeito Bernardo Rossi sempre deu o apoio necessário para o Proppaz, fortalecendo o programa. Nesses 10 anos de existência, o programa acabou não sendo realizado entre 2010 e 2014. A criação da lei que institui o Proppaz como política pública garante que essas interrupções não vão mais acontecer”, destaca o comandante da Guarda Civil, Jeferson Calomeni.

Nesse período, mais de 2,9 mil alunos já se tornaram promotores da paz, sendo 842 em 2017. Para este ano, a prefeitura está ampliando a estrutura do programa, o que vai permitir alcançar 778 alunos só no primeiro semestre. O prefeito doou um carro para o deslocamento dos instrutores, o que vai permitir, pela primeira vez, que o Proppaz aconteça em escolas dos distritos.

Após o carnaval, 25 turmas dos colégios Hercília Moretti (Correas), Dr. Barros Franco (Secretário), Moyses Furtado Bravo (Posse) e Monsenhor João de Deus (Pedro do Rio) terão o curso, que é dividido em três etapas. A primeira acontece em sala. Depois acontecem os “Jogos Proppaz”, com a realização de atividades esportivas e lúdicas entre os jovens e os instrutores. Por fim, eles conhecem os trabalhos realizados no dia a dia pelos agentes na ação “Guarda por um dia”.

“O Proppaz é uma ferramenta muito importante para o futuro dos alunos que passam pelo curso. O programa faz muita diferença na vida de cada um deles e esses jovens, com a cultura de paz trazida pelos guardas, serão multiplicadores dessa mensagem pela nossa cidade”, afirma a secretária interina de Educação, Samea Azara.

Além da maior estrutura, o número de instrutores também está crescendo. No primeiro semestre do ano passado, eram dois instrutores – Leandro Melo e Augusto Carvalho. Na segunda metade de 2017, os agentes Paulo Renato de Oliveira e Evandro Marcolino passaram a ministrar as aulas também. O número vai aumentar novamente em 2018.

“O processo seletivo continua. Dos 10 guardas que fizeram o curso interno de formação de novos instrutores, quatro estão estagiando e dois serão aproveitados já no segundo semestre, chegando a seis instrutores esse ano”, explica Leandro Melo.

O projeto de lei foi criado pelo presidente da Câmara, Paulo Igor, e aprovado por unanimidade. Agora, ele segue para sanção do prefeito Bernardo Rossi para entrar em vigor.