Projeto prevê criação de dutos para baratear gás natural no Brasil

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Por Hédio Júnior

O Brasil tem uma extensão territorial de aproximadamente 8 milhões 516 mil quilômetros quadrados. E nada mais do que 9 mil e 400 quilômetros de gasodutos, canalização subterrânea responsável pela distribuição de gás natural que abastece todo o país. Essa margem tão pequena e pouco significativa para um país com uma expansão continental como a do Brasil tem sido um dos responsáveis pelo alto custo bancado pelo consumidor final que utiliza o gás, por exemplo, para fazer comida em casa.

Na tentativa de reverter esse quadro e quebrar um monopólio que hoje domina a produção, distribuição, transporte e comercialização do produto, tramita na Câmara dos Deputados o projeto de lei Gás para Crescer.

A proposta está na Comissão de Minas e Energia e sob a relatoria do deputado Marcus Vicente, do PP do Espírito Santo. Com o início do novo ano legislativo, as composições de comissões permanentes são reorganizadas e a relatoria pode ser direcionada a outro parlamentar. Para o deputado José Carlos Aleluia, do DEM da Bahia, a proposta do projeto Gás para Crescer vai gerar vantagens aos consumidores. “Da maneira que estava andando, você ia terminar prejudicando os pequenos consumidores porque iria beneficiar só os grandes consumidores. É preciso haver um equilíbrio entre os pequenos consumidores e os grandes consumidores”, explica ele.

Um dos entraves para o barateamento do gás natural, principalmente nos estados do interior do país, é a falta de gasodutos capacitados para o seu transporte. Os dutos são as tubulações por onde passam o gás a partir da produção. Apenas a costa do Brasil, de Fortaleza até o Rio Grande do Sul, e parte do que é importado da Bolívia – passando pelos estados do Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul – têm gasodutos.

De acordo com a diretora do Departamento de Gás Natural, Symone Araújo, o projeto também deve ampliar a quantidade de fornecedores de gás natural. “Fomentar a ampliação da exploração e produção, sobretudo de gás natural em terra, por meio de um programa de revitalização da atividade de exploração e produção. Que a gente crie as condições para esse conjunto de agentes que ofertam gás natural acessarem o mercado. E à medida em que você oferta, você vai ter a atratividade de interessados em consumir gás natural”, conta ela. Segundo Simone, isso vai estimular o consumo do produto, o que pode acarretar no crescimento da economia.

A retomada das discussões do Gás para Crescer na Câmara aguarda uma redefinição das bancadas nas comissões. O presidente da Casa Rodrigo Maia, do DEM do Rio, está aguardando o fim da janela partidária – quando é liberada o troca-troca de partidos aos parlamentares – para recomposição de cada uma das comissões. Isso deve ocorrer após 7 de abril.

Fonte: Agência do Rádio Brasileiro

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.