Foto: Reprodução da Internet

Projeto ensina canto e percussão a crianças e jovens com deficiência no Rio

Aproveitando o mês de carnaval fora de época no Rio de Janeiro, a Bateria do Instituto TIM faz em abril seus primeiros ensaios abertos desde o início da pandemia de covid-19
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Faltando três semanas para o desfile das escolas de samba cariocas, uma bateria composta por dezenas de jovens com deficiência se apresenta na manhã deste sábado (2) no Rio de Janeiro. O grupo é formado por alunos do projeto da Bateria do Instituto TIM, que oferece oficinas de percussão, canto e dança voltadas para crianças e adolescentes com vários tipos de deficiência, como auditiva, visual, motora e mental, além de alunos com autismo e síndrome de down.

O projeto é realizado desde 2010, com aulas presenciais. No entanto, devido à pandemia de covid-19, nos últimos dois anos, a oficina precisou ser realizada de forma virtual, através de videoconferência. 

Neste sábado, será a primeira vez desde o início da pandemia, que os alunos da Bateria do Instituto TIM se juntam em um mesmo local para tocar. Além deste, estão previstos mais dois ensaios abertos do projeto, nos dias 9 e 16.

No dia 30 de abril, a turma se reúne pela última vez, para o encerramento da temporada 2021/2022 do projeto. Essas apresentações serão sempre às 10h, no Centro da Música Carioca Artur da Távola, na Tijuca.

Apesar de ser voltado para crianças e adolescentes com deficiência, o projeto também aceita adultos com deficiência e alunos que não tenham deficiência. “A Bateria do Instituto TIM teve seu início em 2010 como parte do projeto TIM Música nas Escolas, com o objetivo de possibilitar que crianças e adolescentes surdos pudessem se iniciar musicalmente utilizando instrumentos de percussão de uma bateria de escola de samba. Desde 2013, atendemos não somente aos surdos, mas crianças e jovens com ou sem outras deficiências”, explica o coordenador do Bateria do Instituto TIM, Rubens Kurin.

O projeto Bateria do Instituto TIM é realizado pela Salvatore, uma empresa da Novo Traço Entretenimento, em parceria com o Instituto TIM, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

Os alunos aprendem técnica de baquetas e realizam jogos interativos explorando a atenção, concentração, percepção e os princípios básicos de ritmo, tempo e andamento. Uma das ferramentas utilizadas para o ensino da música na Bateria é o método “O Passo”, criado por Lucas Ciavatta.

As aulas são comandadas pelo mestre de bateria Mangueirinha, percussionista conhecido por seus trabalhos com Naná Vasconcelos e Carlinhos Brown, que também é diretor de bateria do famoso bloco Cordão do Boitatá. Junto dele, estão músicos monitores e intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (Libras).

“A Bateria do Instituto TIM é algo mágico. Tem canto, aulas de expressão corporal e percussão, mas, acima de tudo, tem famílias felizes, unidas pela música”, afirma o sócio-fundador da Novo Traço Entretenimento, Rafaello Ramundo.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.