Em fase final de elaboração da fase executiva, o projeto de Requalificação da Paulo Barbosa foi apresentado na última segunda-feira (15.04) para empresários da Rua na UCP. Na ocasião, os empresários tiveram a oportunidade de tirar dúvidas e apontar sugestões. Em março, o projeto recebeu parecer favorável do IPHAN e Inepac e agora está no desenho final do projeto executivo. Após a conclusão da parte executiva será iniciada a captação da obra que será financiada pelos empresários da Rua. Aproximadamente 30 pessoas participaram do encontro.

Segundo a Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica, o projeto foi autorizado para execução da obra sem ressalvas pelo Iphan. Vale salientar que o projeto foi todo desenvolvido por funcionários da Prefeitura, lotados no Departamento de Urbanismo, na CPTrans e na Secretaria de Obras.

“A ideia foi a de apresentar o projeto conceitual, ouvir as sugestões e tirar as dúvidas dos empresários. O projeto recebeu aprovação com elogios do Iphan, o que é um ponto favorável, mas, também queremos ouvir os empresários, porque eles são parte importante desse processo. O projeto foi construído por técnicos da prefeitura, mas o custo será bancado pelos empresários”, afirmou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Marcelo Fiorini.

O projeto prevê que a requalificação seja feita em partes – a região foi separada em 4 blocos. “Estamos conversando com as concessionárias de serviço como água e esgoto, internet e gás para ouvir as necessidades deles porque essa parte da tubulação tem que ficar pronta antes que a obra chegue na calçada. A intenção é de garantir que todos os processos fiquem prontos o mais rápido possível para a finalização do projeto executivo”, contou Robson Gaiofatto, um dos responsáveis pelo projeto executivo.

Os questionamentos referentes ao trânsito e às linhas de ônibus foram esclarecidos por Luciano Moreira, diretor técnico da CPTrans. De acordo com levantamento da companhia, a via é uma das mais movimentadas da cidade: em horários de pico, aproximadamente 2 mil veículos passam pela rua e em um período de seis horas, são 8 mil pedestres que caminham por toda a região.

“A requalificação prevê mais ônibus circulares na região o que significa que a quantidade de pessoas que circulam na rua não vai diminuir. O espaço só ficará mais organizado. É uma rua muito movimentada que precisa de sinalização, segurança e conforto para todos”, afirma Luciano.

O projeto de Requalificação prevê alargamento e melhorias de calçadas, abrigos e baias de ônibus, instalação de bancos e pontos de jardinagem. O estacionamento deverá ser paralelo à calçada e a proposta ainda sugere mais vagas para idosos, além de canteiros, assentos e acessibilidade para que pessoas com alguma limitação física possam ter autonomia para passear pela rua.

“Outro ponto interessante do projeto é que ele prevê mais abrigos na rua, ou seja, mais conforto para as pessoas”, disse o empresário e arquiteto Rodrigo Simão.

Luís Borba, proprietário de uma ótica, aproveitou a oportunidade para tirar dúvidas sobre a questão de carga e descarga na rua. “É importante que os empresários sejam ouvidos nesse processo. A obra tem que ficar boa para todos e todos os agentes devem ser ouvidos. Tenho sugestões com relação a parada de carga e descarga e faço questão de apresentar. Foi interessante esse encontro”, comentou.

Vale salientar que a prefeitura também montou um Grupo de Trabalho que vem acompanhando todas as etapas do processo – formado por representantes do poder público (Obras, Desenvolvimento Econômico, Planejamento e Gestão Estratégica, CPTrans) e empresários da região.

“A prefeitura mantém um grupo à disposição dos empresários para tirar dúvidas. Estamos trabalhando junto e o mais importante é que os empresários estão sendo parceiros no processo e o que deve ficar claro é que o projeto não muda as características da rua. O que se pretende é uma requalificação, organizando o espaço e oferecendo mais conforto para a população”, afirma Marcelo Fiorini.