Projeto combate preconceito contra pessoas trans no mercado de trabalho

O Estado vai proteger o público LGBT, desde a questão do nome social até a inserção dessas pessoas no mercado de trabalho.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A transexual Penélope Gomes da Silva (foto), 36 anos, conhece bem a dificuldade em conseguir um emprego formal e de, mesmo tendo a qualificação para a vaga, acabar preterida por causa do preconceito. Sem trabalho de carteira assinada há quase dois anos, ela vê com esperança o projeto “Fortalecendo o Corre”, da Secretaria de Estado de Trabalho e Renda, cujo objetivo é ajudar pessoas trans a ter acesso ao mercado de trabalho por intermédio dos postos do Sistema Nacional de Emprego (Sine).

– Para a gente conseguir um emprego é muito difícil. Quando não é por indicação fica quase impossível. Sinto na pele esse sofrimento. Eu tenho qualificação para a vaga, mas quando os empresários veem que é um transexual, eles disfarçam e nos dispensam. Esse projeto veio em boa hora. O nosso maior problema é que não podemos inserir no sistema o nosso nome social e isso dificulta muito quando chegamos até a entrevista – desabafa Penélope.

O projeto foi lançado nesta segunda-feira (17/05), Dia Internacional Contra a Homofobia. Coordenador de  Projetos Especiais da Setrab-RJ, Nélio Georgini da Silva, afirma que o objetivo de auxiliar as pessoas trans. 

– O Estado vai proteger o público LGBT, desde a questão do nome social até a inserção dessas pessoas no mercado de trabalho. Vimos que a principal questão, especialmente aos transexuais, é a distorção dos nomes do registro civil e do nome social. O sistema envia o currículo aos empregadores e estes não sabem quando se trata de uma pessoa trans. A norma é restrita ao sexo masculino e feminino. Queremos mudar essa realidade – destaca. 

Representante das Casas de Acolhimento LGBT no Estado e ativista da causa, a transexual Indianarae Siqueira, 50 anos, ressalta a importância do respeito à identidade de gênero.

– Eu acho muito importante que se respeite a identidade de gênero das pessoas, a autodeclaração. O mundo é dividido em homem e mulher. Temos diversas dificuldades em várias áreas da nossa vida e o emprego é uma delas. Precisamos de um trabalho para termos dignidade. Precisamos ser valorizadas. Acredito que o projeto é o pontapé inicial para conseguirmos dar esse passo. 

Os interessados poderão procurar umas das 44 unidades do Sine distribuídas pelo estado. Todos os funcionários das agências estarão aptos e treinados para receber o público LGBT. 

– Os postos do Sine vão receber um protocolo que prevê sensibilizar e promover treinamento para os funcionários lidarem melhor como o tema diversidade. Dessa forma, vamos receber e cadastrar os currículos de pessoas LGBT para encaminharmos para o mercado de trabalho – finaliza o subsecretário executivo da Setrab, Júlio Saraiva.

Fonte: Divulgação

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.