Procon.RJ recebeu cerca de 9.000 demandas desde o aparecimento do coronavírus no Brasil

Problemas de entregas, turismo e viagens, equipamentos de proteção individual, aumento abusivo de preços e reclamações sobre redução de mensalidades de instituições de ensino, foram os que mais cresceram nesse período.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Apesar do fechamento do atendimento presencial, o Procon-RJ continua mantendo o funcionamento dos seus canais de atendimentos online para receber denúncias e reclamações sem a necessidade dos consumidores saírem de casa e permanece apurando e fiscalizando os serviços denunciados pela população. Apenas no período de 27 de fevereiro a 15 de junho deste ano, os canais de atendimentos receberam 8.961 demandas. No mesmo período, 55,62% das reclamações foram encerradas em acordos entre consumidores e fornecedores.

Com o aumento das compras online, o setor de entregas passou a liderar o ranking do Procon-RJ das demandas que mais aumentaram na pandemia, seguido dos setores de turismo e viagens. Em terceiro lugar dos problemas com aumento considerável de demanda, temos as reclamações relacionadas aos equipamentos de proteção individual, como álcool em gel, luvas e máscaras, seguido, imediatamente, das questões relacionadas ao aumento abusivo de preços de alimentos e EPI. Dando seguimento ao aumento das demandas do Procon-RJ, identificamos que as reclamações sobre as mensalidades de instituições de ensino também vigoram no topo.

Observando estas demandas, a Autarquia, neste período da pandemia, abriu mais canais virtuais de atendimento, criou um serviço de WhatsApp para denúncias e preparou todos os servidores dos setores de pesquisa e fiscalização que trabalham externamente, com  equipamentos de proteção individual e protocolo de medidas de higiene adequadas à prevenção da disseminação do Covid-19. Estas ações iniciaram um ciclo de estudo dos problemas citados, através da equipe de pesquisa, e uma maior atuação da equipe de fiscalização em  todo o Estado do Rio de Janeiro, como região metropolitana, baixada fluminense, região serrana, região norte, costa verde e também outros municípios. O foco foram as reclamações e denúncias crescentes, resultando em mais de 831 notificações de empresas dos setores mais demandados, gerando autuações, atos e abertura de processos administrativos.

Como destaque na atuação da Autarquia, aparecem as ações contra os Correios, através do ato de investigação preliminar instaurado contra a empresa para apurar denúncias e reclamações sobre falha na qualidade dos serviços prestados, além da criação do grupo somente para o atendimento de problemas relacionados a empresas de turismo e viagens. Destaca-se também as ações em supermercados e farmácias, verificando o possível aumento abusivo de preços, o que levou a investigação de toda a cadeia produtiva de fornecimento de alimentos, equipamentos de proteção individual, bem como na averiguação da qualidade do álcool gel oferecido no mercado de consumo, gerando a apreensão de centenas de embalagens do produto em desacordo com as normas consumeristas e a parceria firmada com o INCQS – Fiocruz para análise dos mesmos.  Outra atuação importante foi a notificação para apresentação de planilha de custos dos estabelecimentos de ensinos com diversas reclamações sobre as mensalidades e ingresso de ação civil pública em face de uma instituição de ensino, que resultou no desconto de 15% nas mensalidades para os alunos do curso de medicina, uma vez que a instituição não apresentou a planilha requerida.

Após a realização das medidas citadas, o presidente da autarquia, Cássio Coelho, prepara agora a estratégia da continuidade do tratamento de todos esses procedimentos gerados nesse período e que não tiveram solução ou acordo. Aguardando a flexibilização gradativa e a abertura dos atendimentos e serviços na sede do Procon RJ, com a  certeza que, mesmo com o aumento substancial das demandas, o Procon-RJ estará pronto para dar encaminhamento aos processos, buscando a resolução dos conflitos e mantendo a qualidades das relações consumeristas, além de aprimorar os serviços online criados, entendendo que esta é a nova realidade.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.