Procon Estadual consegue na justiça que bancos a apresentarem soluções para o golpe do boleto

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Bradesco, Itaú, Banco do Brasil e Santander tem 90 dias para apresentar a solução após trânsito em julgado

A Autarquia de Proteção de Defesa do Consumidor (Procon-RJ) obteve, no dia 02 de julho, decisão favorável na 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro contra as principais redes bancárias do país – Bradesco, Itaú, Banco do Brasil e Santander. O objetivo da ação civil pública é combater o chamado Golpe do Boleto. A decisão determina que os bancos viabilizem mecanismos para que os consumidores confirmem, por meio de qualquer um de seus canais eletrônicos, se o código de barras dos boletos é mesmo da instituição financeira neles registrados. Os bancos têm de colocar em prática estes mecanismos. Aquele que não cumprir esta decisão pagará uma multa diária de R$ 50 mil. Além disso, por danos morais coletivos, cada banco alvo da ação deverá pagar uma indenização de R$ 250 mil.

 A Ação Civil Pública (TJRJ n° 0021688-54.2016.8.19.0001) foi motivada pela falta de segurança dos canais eletrônicos disponibilizados pelos bancos, causando graves problemas para os consumidores. Devido a isso, falsários tiveram acesso e fraudaram o sistema de emissão de boletos bancários, alterando a numeração do código de barras para desviar pagamentos realizados pelos consumidores para contas de terceiros.  De acordo com o Procon-RJ, uma vez que os bancos disponibilizam facilidades por meio de mecanismos eletrônicos, precisam providenciar a segurança adequada para se evitar qualquer tipo de fraude. A instituição bancária, entre as que são alvos da ação, que não apresentar uma solução para esta questão em 90 dias após transitar em julgado, irá pagar uma multa de R$ 50 mil por dia até que viabilize a conferência do código de barras dos boletos por meios eletrônicos. Os bancos respondem por esse prejuízo de acordo com o art. 14 do Código de Proteção e Defesa do Consumidor (CPDC).

Também foi aceito na apelação o pedido da Ação Civil Pública por uma indenização por danos morais coletivos devido à má prestação de serviço em descumprimento as normas do CPDC, conforme determinado pelo art. 1° da Lei da Ação Civil Pública (Lei 7.347/85). Com isso, foi determinado uma indenização como punição e advertência para desencorajar este tipo de prática. Assim, cada instituição bancária alvo da ação deverá pagar R$ 250 mil.

A decisão não é definitiva, cabendo ainda recursos por parte dos réus.   

Fonte: PROCON RJ

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.