O Procon Petrópolis ingressou com uma notícia-crime contra os responsáveis pela Embelleze. A empresa, que oferecia cursos profissionalizantes em Petrópolis, fechou as portas no último mês deixando diversos clientes sem a formação contratada. O órgão de defesa do consumidor, após receber oito denúncias, tentou diversas vezes contatar a empresa para que a situação fosse resolvida, mas até agora não houve resposta por parte da filial do município e nem da matriz de São Paulo. A denúncia foi encaminhada nesta sexta-feira (18.05) à 105ª Delegacia de Polícia para instauração de inquérito e apuração do caso.

A expectativa em se especializar em cortes masculinos em uma empresa de renome foi por água abaixo quando a estudante Ana Cristina Fernandes, 18 anos, se deparou com o curso sendo desmontado quando chegou para assistir a aula no fim do mês passado. Sem aviso prévio, a jovem conta que cadeiras, mesas, acentos e até as logomarcas da Embeleze estavam sendo removidos e que a única atendente da recepção entregou apenas uma carta plastificada dizendo que a família deveria entrar em contato com um advogado. Na carta, havia informações como CNPJ e alguns contatos em que não é possível encontrar ninguém.

A avó da jovem, Ana Isabel Teixeira da Cunha, responsável pelo pagamento do curso, lembra que no início de abril, quando foi realizar o pagamento da mensalidade, um grupo da empresa continuava na porta do Edifício Copacabana, onde a empresa funcionava, chamando novos clientes para os cursos oferecidos pela empresa. “Fizemos o pagamento inicial de mais de R$ 1000 e fizemos três pagamentos de mais de R$ 200. A previsão era que o curso durasse nove meses, mas a minha neta teve pouquíssimas aulas desde que o curso iniciou e, na prática, não tem capacitação nenhuma porque houve mudança de professores, suspensão de aulas neste período, ou seja, tempo e dinheiro perdidos”, lamenta.

Ana Cristina Fernandes, que ingressou no curso com 17 anos, lembra que buscou a empresa exatamente por ter um nome consolidado no país e está há muitos anos no município. Decepcionada, ela lamenta a falta de comunicação com os alunos. “Fiquei chocada quando me deparei com o local fechado. Depois soube que chegou a ter uma reunião comunicando, apenas, que iria fechar, mas sem dar uma resposta, um encaminhamento para os alunos. Eu ainda não sei o que fazer, porque o dinheiro pago foi um investimento. No mínimo eles deveriam concluir o curso de quem já estava fazendo para fechar as portas. Agora espero que eles devolvam todo o investimento que fizemos”, diz a jovem.

A denúncia do órgão de defesa do consumidor toma como base o artigo 171 do Código Penal, por estelionato, que tem como punição reclusão de cinco anos e multa. No documento entregue à polícia, o órgão esclarece que ninguém foi encontrado para falar sobre o assunto no local onde os cursos aconteciam, além disso, entrou em contato com o Instituto Embelleze – Matriz, em São Paulo, por meio de ligações e chegou a ser informado, em uma ocasião, que a empresa retornaria, mas isso não aconteceu.

O coordenador do Procon, Bernardo Sabrá, destaca que buscou de todas as formas entrar em contato com a empresa para que houvesse um acordo entre a mesma e os alunos que não concluíram seus cursos, mas não houve resposta da Embelleze que, sequer, dá uma previsão algum norte sobre uma possível solução para o caso.

“Lamentamos chegar a essa situação, mas não podemos deixar o consumidor lesado de qualquer forma. Encaminhamos o caso para que à polícia dê andamento e tome as devidas providências. Já tivemos oito denúncias protocoladas, na qual precisamos encaminhar ao judiciário devido à falta de resposta da empresa, mas ainda tem as pessoas que não chegaram a protocolar a reclamação. As pessoas podem e devem denunciar o caso ao Procon”, destaca o coordenador do órgão, Bernardo Sabrá.

Quem quiser denunciar pode contatar o Procon pela página do órgão no Facebook, o Procon Petrópolis; pelo site www.petropolis.rj.gov.br/procon. Há, ainda, o WhatsApp Denúncia, no número 98857-5837 ou os telefones 2246-8469 / 8470 / 8471 / 8472 / 8473 / 8474 / 8475 / 8476 e 8477. Atendimento presencial pode ser realizado na unidade do Centro, que fica na Rua Moreira da Fonseca, nº 33. A unidade de Itaipava localizada no Centro de Cidadania, que fica na Estrada União e Indústria, 11.860. Os telefones da unidade são: 2222-1418, 2222-7448 e 2222-7337.